L. Valdez/Int. J. Osteoarchaeol.
L. Valdez/Int. J. Osteoarchaeol.
Imagem Fernando Reinach
Colunista
Fernando Reinach
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Piso de cobaia no Peru

É difícil saber exatamente o que teria levado os incas a sacrificar tantos animais

Fernando Reinach, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2019 | 03h00

Ao escavar uma construção inca no sul do Peru, um grupo de arqueólogos levou um susto. Uma camada de múmias de cobaias perfeitamente organizadas, cobertas de areia, formava o contrapiso, logo abaixo de uma camada de argila que servia de piso. 

No sul do Peru desemboca no Oceano Pacífico uma série de rios que trazem água das geleiras andinas. Tal como ocorre na foz do Nilo, na beira desses rios estão áreas férteis e úmidas que contrastam com a secura do deserto. 

Hoje encontramos nesses locais polos agrícolas fertilizados pelas inundações anuais. Mas não foram os colonizadores espanhóis que descobriram que essas áreas eram bons lugares para viver - os incas já sabiam, e muitas ruínas são encontradas ali.

Tambo Viejo, no vale do Rio Acari, é um desses locais que foram habitados pelos incas. Foi escavando uma estrutura retangular de aproximadamente 10 por 35 metros, dividida, que as cobaias mumificadas foram encontradas. 

Após retirar o material que havia se acumulado recentemente, foram encontrados restos de fogueiras cujas cinzas foram analisadas e sua idade foi determinada. Essa construção havia sido habitada por volta do ano 400, aproximadamente 1.100 anos antes da descoberta da América. 

O piso da construção era feito de barro seco, sendo que no local onde havia cinzas essa cobertura de barro estava queimada. Quando os cientistas começaram a escavar o piso para verificar se havia resíduos mais antigos nas camadas mais profundas, encontraram somente uma camada de areia que funcionava como contrapiso. Embebidas nessa camada de areia estavam os grupos de cobaias mumificadas.

As cobaias estavam em grupos de 20 ou 30, cada grupo em uma área da construção. Como todo o piso ainda não foi escavado, não se sabe ainda quantos desses agrupamentos de múmias existem. Mais de 50 já foram localizados. As cobaias foram preservadas por terem sido colocadas diretamente sobre o solo, cobertas de areia e argila. Nas camadas mais fundas não existe nenhum sinal de presença humana. Aparentemente as cobaias estão no estrato arqueológico mais profundo.

O interessante é que grande parte das cobaias está com fragmentos de tecidos coloridos inseridos em suas orelhas como se fossem brincos. Além disso, muitas delas têm tecidos coloridos em volta de seus pescoços e algumas poucas estão embrulhadas em pequenos tapetes coloridos, todas embebidas em areia. 

Outro achado interessante é que a areia em volta das narinas estava solidificada, como se o vapor de água da respiração das cobaias tivesse aglutinado os grãos de areia. Isso sugeriu aos cientistas que as cobaias podem ter sido colocadas ainda vivas na areia, e o piso de argila teria sido assentado logo depois. 

A análise das cobaias não indica, mas não exclui, a presença de doenças, e o sexo dos animais não pode ser determinado. O que se sabe é que foram usadas cobaias de todas as cores e que elas estão colocadas de forma organizada. 

Isso para os cientistas, junto com os adereços, sugere algum tipo de ritual religioso. Dentro dessa construção também foi achado um cercado de pedra com restos de alimentos ingeridos por cobaias - talvez fosse um criadouro.

É difícil saber exatamente o que teria levado os incas a sacrificar tantos animais durante a construção de uma edificação. Relatos de missionários católicos que chegaram a região um milênio mais tarde descrevem cobaias como um alimento precioso para essa população. E existem numerosos indícios que os incas sacrificavam animais aos seus deuses. Em alguns casos existem evidências de sacrifícios humanos. 

Como todas as civilizações humanas que surgiram em regiões onde o clima, as estações do ano e os fenômenos climáticos determinam se o ano seguinte será de fartura ou fome, os incas acreditavam que o sucesso de sua agricultura dependia da boa vontade divina. E isso talvez explique os sacrifícios. 

Mas, mesmo sabendo disso, é quase impossível imaginar o que levaria uma população a decidir viver logo acima de uma camada de cobaias mumificadas.

MAIS INFORMAÇÕES: INKA SACRIFICIAL GUINEA PIGS FROM TAMBO VIEJO, PERU. INT J. OSTEOARCHEOLOGY 2019

* É BIÓLOGO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.