Wikipedia Commons
Wikipedia Commons

Placa de recordação da primeira viagem à Lua é arrematada por US$ 468,5 mil

Objeto pertencia a Neil Armstrong, primeiro homem a pisar na Lua. Seus filhos decidiram levar a placa em leilão

O Estado de S.Paulo

04 Novembro 2018 | 21h23

NOVA YORK – Uma placa de recordação da missão Apolo 11, levada à Lua em 1969, foi vendida por 468 mil dólares (cerca de R$ 1.734.340,00) em um leilão da coleção particular do astronauta Neil Armstrong realizado na cidade americana de Dallas, nos Estados Unidos.

A placa representa o módulo lunar que posou em 20 de julho de 1969 na superfície do satélite natural da Terra. Ao retornar, ela foi colocada em um suporte de madeira antes de ser entregue a Neil Armstrong, primeiro homem a pisar na Lua.

Os outros dois astronautas que participaram da missão, Edwin "Buzz" Aldrin e Michael Collins, também receberam suas placas. Os dois filhos de Armstrong, Rick e Mark, decidiram se desfazer da importante coleção seu pai, morto em agosto de 2012, composta por mais de 2 mil objetos. Parte da coleção foi arrematada esta semana em Dallas e na internet.

Outros dois leilões estão previstos para maio e novembro do ano que vem pela casa Heritage Auction, que organizou o primeiro. 

A placa foi arrematada por um valor mais alto do que outra peça muito aguardada, uma bandeira americana de 45 x 29 cm, levada à missão, mas que não foi hasteada na Lua. A bandeira foi vendida por 275 mil dólares, incluindo gastos e comissões, mais de três vezes o estimado pela Heritage.

Outros dois lotes muito aguardados eram os fragmentos do avião dos irmãos Wright, cujo primeiro voo, em dezembro de 1903, é considerado a ata de nascimento da aviação moderna. 

Estes fragmentos também foram levados por Armstrong na Apolo 11, e foram arrematados por 275 mil dólares cada, nove vezes mais do que a estimativa.

Esta primeira parte da venda da coleção de Armstrong gerou uma receita de 5,2 milhões de dólares, segundo um comunicado divulgado neste domingo pela Heritage Auctions. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.