Planeta gigante gasoso está sendo destroçado por estrela

Descoberto em 2008, Wasp-12b é um dos mais enigmáticos dos cerca de 400 planetas já encontrados

estadao.com.br,

24 Fevereiro 2010 | 18h46

Uma equipe internacional de astrofísicos determinou que um planeta gigante, Wasp-12b, está sendo destruído por sua estrela. A descoberta, de acordo com nota divulgada pelos autores do trabalho, publicado na revista Nature, explica o "inchaço" do planeta - causado pela atração gravitacional destruidora que a estrela exerce sobre suas camadas superiores - e permite que cientistas acompanhem o processo da morte planetária.

 

Busca por ETs pode dar resultado em breve, diz astrônomo

Descoberta de planeta habitável é iminente, dizem astrônomos

 

O estudo foi encabeçado por Shu-Li, dos Observatórios Nacionais de astronomia da China, e contou com a colaboração de pesquisadores dos Estados Unidos.

 

Descoberto em 2008, Wasp-12b é um dos mais enigmáticos dos cerca de 400 planetas já encontrados fora do Sistema Solar. Ele orbita uma estrela semelhante ao Sol, mas a uma distância extremamente pequena, de menos de 2% da que separa a Terra do Sol. O planeta é um gigante gasoso, como Júpiter, mas tem 50% mais massa e um tamanho 80% maior. Também é extremamente quente, com uma temperatura que supera 2.500º C.

 

De acordo com os autores do estudo, as chamadas forças de maré, causadas pela atração da estrela, são a causa do tamanho descomunal do planeta. Na Terra, as interações de maré entre nosso planeta e a Lua causam mudanças no nível do mar.

 

No caso de Wasp-12b, no entanto, a proximidade entre planeta e estrela causam forças enormes, distorcendo-o para um formato semelhante ao de uma bola de futebol americano. 

 

Ao deformar o planeta, as marés causam fricção em seu interior. Essa fricção gera calor, que por sua vez produz a expansão.

 

O planeta dilatou-se a tal ponto, dizem os pesquisadores, que já não é mais capaz de conter a própria massa contra a atração da estrela.

 

De acordo com LI, o planeta perde matéria para a estrela à taxa de seis bilhões de toneladas por segundo, o que deverá levá-lo à destruição total em dez milhões de anos.

 

O material arrancado de Wasp-12b não cai diretamente na estrela. Em vez disso, forma um disco que mergulha na direção do astro numa lenta espiral.

Mais conteúdo sobre:
astronomia exoplanetas nature

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.