Divulgação/ESO
Divulgação/ESO

Planeta semelhante à Terra pode ser inferno vulcânico

Novos cálculos indicam que primeiro planeta rochoso de fora do sistema Solar é dominado por rios de lava

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

06 Janeiro 2010 | 15h00

O planeta Corot-7b, o primeiro mundo rochoso detectado fora do sistema solar, possivelmente é um pelaneta dominado por violentas erupções vulcânicas.

 

Cientistas apontam superfície rochosa em 'super-Terra'

 

Sendo cerca de 70% maior que a Terra e dotado de superfície rochosa, o planeta foi classificado como uma "super-Terra". Embora outras "super-Terras" já fossem conhecidas, Corot-7b foi o primeiro planeta relativamente pequeno de fora do Sistema Solar a ter a densidade calculada, confirmando  uma composição rochosa, como a da Terra, e não gasosa, como a de Júpiter ou Saturno.

 

O planeta gira tão perto de sua estrela que a temperatura em sua superfície deve ser de cerca de 2.000 ºC no lado iluminado. E provavelmente cai abaixo dos -210 ºC no lado escuro.

 

Agora, um novo estudo sugere outra característica que torna o primeiro "irmão" extrassolar da Terra ainda mais inóspito: se a órbita de Corot-7b não for perfeitamente circular, o planeta estará sujeito a uma atividade vulcânica comparável à de Io, uma das luas de Júpiter e o corpo mais geologicamente ativo do Sistema Solar. Em Io existem mais de 400 vulcões ativos, que emitem material a altitudes de até 300 quilômetros.

 

A reclassificação de Corot-7b, de "super-Terra" para "super-Io", está sendo proposta pelo astrônomo Rory Barnes, da Universidade de Washington. seus cálculos foram apresentados numa reunião da Sociedade de Astronomia dos Estados Unidos, realizada nesta semana.

 

Barnes determinou que um pequeno desvio da órbita do planeta em relação a uma trajetória circular bastaria para submetê-lo a intensas forças de maré, capazes de distorcer o formato do planeta, aquecendo seu interior a ponto de desencadear o vulcanismo intenso. Na Terra, as forças de maré são absorvidas pelos oceanos.

 

"Corot-7b muito provavelmente não tem oceanos", disse Barbes, em nota. "Um planeta numa órbita não circular sofre forças gravitacionais de diferentes intensidades em diferentes pontos de sua trajetória, sendo as forças maiores quando está mais perto da estrela e as menores, quando está mais afastado". Entre os dois pontos extremos, prossegue o cientista, o planeta "estica e relaxa".

 

Esse movimento produz fricção que aquece seu interior.

 

"Se as condições forem como especulamos, o planeta terá muitos vulcões continuamente em erupção, e magma escorrendo por toda a superfície", acrescenta. 

 

O planeta Corot-7b fica a 480 anos-luz da Terra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.