Project Apollo Archive/NASA via The New York Times
Project Apollo Archive/NASA via The New York Times

Planetários do Ibirapuera e do Rio celebram os 50 anos do homem na Lua

Em SP, programação de 19 a 29 de julho terá sessão com narração ao vivo; no RJ, exposição ficará aberta ao público por um ano

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

18 de julho de 2019 | 03h00
Atualizado 19 de julho de 2019 | 15h37

RIO - O "pequeno passo" histórico do astronauta Neil Armstrong, que foi o primeiro homem a pisar na Lua, completa 50 anos neste sábado, 20. Para comemorar a data, os Planetários do Ibirapuera, em São Paulo, e do Rio de Janeiro trazem uma programação especial.

Na capital paulista, a ida do homem à Lua é um tema que estará no centro do evento "Lua à vista: 50 anos do primeiro passo", que estreará nesta sexta-feira, 19. A programação vai até o dia 29. Uma das novidades prometidas é a Sessão Especial "50 Anos Lunáticos", ao vivo. Ela será narrada in loco pelo físico e professor dos Planetários Raphael Malagoli.  

A Secretaria do Verde e do Meio Ambiente também preparou o que chama de uma "experiência sensorial" para o visitante, "mas o diretor dos Planetários prefere não antecipar as novidades para evitar o famoso spoiler", informou a Prefeitura.

Já no Planetário do Rio, será inaugurada neste sábado a exposição "Um gigantesco salto: a jornada para a Lua", que reúne fotos, ilustrações, e vídeos dos arquivos da Agência Espacial Americana, a Nasa, sobre a trajetória das missões Apollo até o bem-sucedido pouso em solo lunar, em 20 de julho de 1969. A exposição faz parte de uma série de eventos promovido no País pela embaixada dos Estados Unidos em homenagem à data.

A exposição ficará aberta ao público por um ano, período em que os visitantes poderão conhecer um pouco mais sobre essa conquista que estabeleceu um novo patamar para a ciência e a indústria espacial. Em julho e agosto, serão exibidos filmes sobre a época da exploração espacial, seguidos de bate-papos com astrônomos e pesquisadores sobre as missões espaciais.

'Grande salto para a humanidade'

O diretor de Astronomia do Planetário do Rio, Alexandre Cherman, conta que a chegada do homem à Lua foi um sonho que se tornou realidade graças aos esforços coletivos de uma nação. "As missões Apollo e, em especial a Apollo 11, são um marco da inventividade humana, uma demonstração clara de que podemos mais quando nos emprenhamos para isso", afirmou. "É com grande felicidade que o planetário se une ao Consulado Geral americano no Rio de Janeiro para contar essa história para a população." 

Para a Embaixada e Consulados dos Estados Unidos no Brasil, uma das prioridades dessa iniciativa é fomentar o interesse por ciência, tecnologia, engenheira e matemáticas.

"A nossa expectativa é compartilhar essa experiência histórica com as novas gerações, incentivando uma curiosidade maior pela área científica. Proximamente, esperamos ver mais brasileiros trabalhando na área espacial juntos com seus colegas americanos", afirmou o encarregado de negócios da Embaixada e Consulados dos Estados Unidos no Brasil, William Popp. "Essas atividades visam o fortalecimento contínuo das relações entre os dois países, que compartilham muitos valores em comum." 

Durante a abertura da exposição no Rio, será lançado um selo comemorativo dos Correios com a temática da chegada à Lua. O selo é um recorte da clássica foto cedida pela Nasa, de uma pegada deixada na Lua, representando simbolicamente a famosa frase de Neil Armstrong: "É um pequeno passo para um homem, um grande salto para a humanidade".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.