Plano para gripe aviária no Brasil sai até o fim da semana

Até o final desta semana, o Ministério da Agricultura pode divulgar um plano emergencial para a gripe aviária. O plano, que está sendo elaborado pela Secretaria de Defesa Agropecuária, terá como objetivo evitar a entrada da gripe do frango em território nacional.De acordo com técnicos da secretaria, estão sendo definidas quais as medidas de emergência que devem ser tomadas em todos os níveis para detecção, diagnóstico e extinção de um eventual foco da doença.O governo brasileiro decidiu criar o grupo por causa do avanço da gripe aviária em todo o mundo. A doença matou mais de 60 pessoas na Ásia nos últimos dois anos e foi confirmada, na segunda-feira, na Grécia.Além do problema de saúde pública, a confirmação de um foco resulta em restrições comerciais. O Brasil é o maior exportador mundial de carne de frango, com embarques no valor de US$ 2,59 bilhões em 2004. De janeiro a setembro, segundo dados da Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frango (Abef), as vendas externas do setor somaram US$ 2,5 bilhões.Desde o aparecimento dos primeiros casos, o governo brasileiro tem adotado medidas para evitar a entrada da doença no Brasil. Entre elas, estão a restrição do ingresso de material genético avícola os aeroportos e nos postos de fronteira com os países do Mercosul.Em 2004, o ministério suspendeu, por tempo indeterminado, a importação de aves do Canadá. A medida foi determinada para evitar a contaminação das aves brasileiras pelo vírus da gripe aviária, também conhecida como "gripe do frango".O primeiro caso de transmissão de gripe aviária para humanos ocorreu em 1997, em Hong Kong, e provocou 18 casos e 6 mortes. Estudos genéticos subseqüentes associaram este surto em humanos à epidemia de gripe aviária. Foram sacrificadas em torno de 1,5 milhão de aves domésticas naquele país.

Agencia Estado,

18 de outubro de 2005 | 15h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.