Pó interplanetário dá evidências de duas glaciações

Análise de pó interplanetário depositado em camadas de gelo entre 750 milhões e 580 milhões de anos atrás confirma que pelo menos duas glaciações cobriram a Terra. Outras duas, pelo menos, devem ter ocorrido, mas ainda não há evidências concretas que confirmem a teoria.Estudo de geólogos da Universidade de Witwatersrand (África do Sul) e do Departamento de Ciências Geológicas de Viena, publicado na Science, sugere que as glaciações duraram entre 3 milhões e 11 milhões de anos e ocorreram em momentos em que o planeta, transformado em uma bola de neve, era bombardeado pelo pó interplanetário, com grande quantidade de irídio.As concentrações desse tipo de irídio, um metal, encontradas perto da África equatorial permitiram ajustar o cálculo dos períodos deglaciações, que até agora iam de milhares de anos a até 30 milhões, segundo os cientistas.Essas glaciações ocorreram no período Neoproterozóico e terminaram bruscamente, quando começaram a ocorrer um aquecimento global e um rápido degelo. Até esse momento, o metal tinha se acumulado sobre as camadas de gelo que cobriam os continentes, os mares e os oceanos.O estudo não trata das causas das glaciações, mas levanta suposições. Uma delas indica que o Sistema Solar possa ter sido atravessado por densas nuvens de poeira cósmica, reduzindo a intensidade da luz do Sol sobre os planetas.Quando as glaciações atingiram um certo estágio, o próprio gelo sobre a Terra contribuiu para um esfriamento ainda maior, refletindo a luz solar e contribuindo para a formação da "bola de neve", segundo os pesquisadores.O fim das glaciações, sugerem eles, deve ter ocorrido com o aquecimento provocado por atividades vulcânicas que elevaram a concentração de dióxido de carbono na atmosfera, desencadeando o efeito estufa.

Agencia Estado,

08 de abril de 2005 | 12h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.