Poços perto de aqüíferos já indicam contaminação

Estudo produzido na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) alerta para a contaminação dos aqüíferos Serra Geral e Guarani, que formam um dos maiores complexos naturais de água doce subterrânea do mundo. Análise de amostras retiradas de poços profundos próximos aos aqüíferos revelou a existência de fosfatos e nitratos, relacionados à suinocultura e ao uso de adubos nas lavouras.?A contaminação ainda não atingiu um nível que impeça o consumo, mas funciona como sinal de alerta?, disse à Agência Fapesp o professor da Luiz Fernando Scheibe, orientador do trabalho. O volume de águas dos aqüíferos começou a aumentar após a construção dos reservatórios das usinas hidrelétricas de Itá e Machadinho, mas isso tornou as águas subterrâneas mais vulneráveis às infiltrações de agrotóxicos e dejetos animais presentes nas barragens.Rochas vulcânicasOs aqüíferos são formações de rochas vulcânicas cobertas por inúmeras fissuras nas quais existe água. O aqüífero Serra Geral tem 1,2 milhão de km quadrados e se estende sob os três Estados do Sul até chegar ao oeste de São Paulo. O Guarani é um dos maiores reservatórios de água doce do mundo, com 1,8 milhão de km quadrados, cobrindo 39% do território do Mercosul.Algumas cidades paulistas são totalmente abastecidas com as águas do Serra Geral. O Aqüífero Guarani é utilizado por grandes indústrias e áreas termais com finalidades turísticas. O problema foi descrito na dissertação de mestrado Hidrogeoquímica e vulnerabilidade dos aqüíferos Serra Geral e Guarani, defendida por Cícero Augusto de Souza Almeida no Departamento de Geografia da UFSC.

Agencia Estado,

20 de fevereiro de 2004 | 12h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.