Polícia Civil indicia padres suspeitos de exploração sexual em Alagoas

Um dos religiosos cumpre prisão preventiva em regime domiciliar; caso de pedofilia ocorreu em Arapiraca

Fabiana Marchezi, do estadão.com.br

30 Abril 2010 | 16h06

SÃO PAULO - A Polícia Civil de Alagoas indiciou na última terça-feira, 27, os três padres suspeitos de exploração sexual contra adolescentes no município de Arapiraca. Um dos religiosos, o monsenhor Luiz Marques Barbosa, de 83 anos, cumpre prisão preventiva em regime domiciliar há dez dias, depois de prestar depoimento na CPI da Pedofilia.

 

Veja também:

linkEx-coroinhas teriam pedido R$ 5 milhões a padres em Alagoas

linkArapiraca reproduz paralisia do Vaticano

linkJustiça de Franca (SP) aceita denúncia de pedofilia contra padre Dé  

 

De acordo com a delegada Bárbara Arrais, uma das responsáveis pelo inquérito policial, a pena para o crime de exploração sexual pode variar de quatro a dez anos de prisão. Um dos padres também foi indiciado por ameaça e importunação ofensiva ao pudor.

 

Ainda segundo a delegada, agora, o relatório da investigação será analisado pelo Ministério Público Estadual, que deve decidir pela realização de novas diligências ou oferecer denúncia contra os indiciados.

 

Os três religiosos foram afastados de suas funções pelo bispo dom Valério Breda, da Diocese de Penedo, em Alagoas, segundo nota divulgada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Mais conteúdo sobre:
pedofiliaAlagoasArapiraca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.