Polícia saudita proíbe rosas vermelhas e Dia dos Namorados

Proibição gera um mercado negro de flores na capital, Riad, de acordo com a revista Saudio Gazette

EFE,

13 de fevereiro de 2008 | 19h06

A Mutawa, polícia religiosa da Arábia Saudita, advertiu os muçulmanos para que não celebrem o Dia de São Valentim - 14 de fevereiro, festejado como Dia dos Namorados no hemisfério Norte - porque se trata de uma festa "imoral" e "não-islâmica".   A Mutawa, cujo nome oficial é Comissão para Promoção da Virtude e Prevenção do Vício, divulgou seu posicionamento em comunicado distribuído em Riad, poucos dias depois de proibir a venda de rosas vermelhas no país árabe.   A polícia religiosa tem cerca de 5.000 homens, que andam à paisana, e é muito influente no país.   "Tomaremos todas as medidas para proteger os valores religiosos", disse a nota, que adverte que "os muçulmanos não devem cair na imoralidade, e não devem aceitar esta festa pagã, nem ajudar em sua celebração por meio da participação em comidas, bebidas, na venda compra ou envio" de presentes.   A revista Saudi Gazette havia noticiado que membros da Mutawa visitaram floristas para proibir a venda de rosas vermelhas, o que levou ao surgimento de um mercado negro de flores em Riad.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.