Pólo de lua congelada de Júpiter foi parar no equador

Acredita-se que oceano que existe sob a carapaça de gelo da lua pode ter atuado como um 'lubrificante'

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

14 de maio de 2008 | 14h06

A superfície congelada de Europa, uma das maiores luas de Júpiter, apresenta ravinas concêntricas com mais de 1 quilômetro de profundidade e centenas de quilômetros de extensão. Essas marcas, diz artigo publicado na edição desta semana da revista Nature, podem ser explicadas como resultado de uma grande tensão sofrida pelo gelo no passado, quando os pólos do satélite se deslocaram em quase 80º, indo parar perto do equador.   Veja também:  Imagens da Nasa (em inglês)   De acordo com o principal autor do artigo que levanta a hipótese dessa migração polar, Paul Schenk, o oceano que, acredita-se, existe sob a carapaça de gelo da lua pode ter atuado como um "lubrificante", facilitando o deslizamento da camada congelada. A causa do deslocamento polar teria sido um desequilíbrio de massa: o acúmulo de gelo deixou os pólos mais pesados que o equador, e a crosta de gelo moveu-se sobre o oceano, como uma só peça, para corrigir isso.   "Acreditamos que existe um oceano salgado debaixo do gelo porque os dados de magnetismo da sonda Galileu mostraram que existe um condutor de eletricidade debaixo da superfície", disse Schenk. "Além disso, a superfície tem várias características geológicas estranhas que indicam um oceano provavelmente enterrado sob o gelo".   Cientistas sabem que a superfície de Europa, até 100 km de profundidade, é composta de água, com os 10 km ou 20 km superiores congelados. Essa abundância de água marca Europa como um dos principais candidatos, no Sistema Solar, para a busca de vida fora da Terra.   "Nosso resultado parece confirmar, ou reforçar, a presença de um oceano", diz Schenk, sobre as perspectivas para a busca de Viad na lua. "A preservação dessas 'covinhas' profundas parece argumentar a favor de uma crosta sólida mais espessa, mas isso não impedirá uma busca por vida, só tornará mais difícil achá-la, se estiver lá". 

Tudo o que sabemos sobre:
JúpiterastronomiaNasa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.