Poluição do ar reduz nascimento de meninos

Além de reduzir a expectativa de vida e aumentar o risco de doenças cardiorrespiratórias, os altos índices de poluição atmosférica são agora apontados como responsáveis por outro problema: a redução do nascimento de meninos.Estudo inédito do Laboratório de Poluição Atmosférica Experimental da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), que reuniu dados epidemiológicos e pesquisas em laboratório, indica que, quanto maior o índice de poluição, maior a desproporção entre nascimento de meninos e meninas.Pesquisadores não sabem ainda quais os fatores que determinam a diferença. O coordenador do laboratório, Paulo Saldiva, avalia que a hipótese mais provável é de que o cromossomo Y, que determina o sexo masculino, seja mais suscetível a mutações."Os óvulos estão mais protegidos que os espermatozóides."NascimentosUma das vertentes do estudo, desenvolvida por Joabner Breda Gomes, levantou os registros de nascimento na cidade de São Paulo entre 2001 e 2003 em três áreas, classificadas de acordo com a concentração de material particulado.Naquelas onde a concentração era alta, a proporção de nascimentos de meninos era 1% menor do que a na região menos poluída. Na prática, isso significa que, na área mais poluída, nasceram 1.180 meninos a menos do que na menos poluída, entre 2001 e 2003."É uma diferença bastante significativa. Principalmente quando se leva em conta que, geralmente, as variações são pequenas", afirma a bióloga Ana Júlia da Faria Coimbra Lichtenfels, que coordenou a pesquisa em laboratório.CamundongosCem camundongos foram divididos em duas gaiolas. Uma com ar filtrado e outra com ar ambiente. "Nas gaiolas expostas à poluição, o nascimento de machos foi 24% menor do que na gaiola de ar filtrado", contou.A pesquisa será apresentada durante a 4ª Conferência Internacional de Emissões Veiculares, nesta semana em Brasília. Integrantes do encontro vão pedir a redução, em até dez vezes, pelos próximos dez anos, da emissão de óxido de nitrogênio por veículos movidos a diesel no Brasil.Pesquisadores reivindicam ainda a adoção da inspeção veicular. "Em 20 anos, seria possível evitar aproximadamente 47 mil mortes prematuras, 20 mil hospitalizações, 50 mil casos de bronquite crônica se medidas severas para a redução das emissões forem tomadas no País", disse Saldiva.

Agencia Estado,

23 de junho de 2005 | 11h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.