Poluição mata 800 mil pessoas por ano, diz Bird

Estudo do Banco Mundial (Bird) sobre os efeitos da deterioração do meio ambiente, denominado "O meio ambiente importa", apresentado na quarta-feira, mostra que a poluição do ar mata 800 mil pessoas anualmente. O documento afirma também que cerca de um quinto das doenças dos países em desenvolvimento podem ser atribuídas a problemas ambientais, como falta de água potável e poluição do ar, e que os problemas ecológicos atingem sobretudo os mais pobres e as crianças.Em relação a estes últimos, o estudo destaca que cerca de 117 milhões de crianças vivem na pobreza na América Latina e no Caribe, a maioria delas em áreas que carecem de infra-estrutura básica. Essas carências aumentam sua vulnerabilidade diante de doenças respiratórias e diarréias, que estão entre as principais causas de mortalidade entre os menores de cinco anos na América Latina.O estudo afirma que há um "forte vínculo" entre o meio ambiente e a saúde, uma ligação que as pessoas tendem a esquecer porque, segundo destacou o cientista da Universidade de Harvard Eric Chivian, o ser humano está "cada vez mais desligado do mundo natural".Diretor do Centro para a Saúde e meio Ambiente Global da Universidade de Medicina de Harvard, Chivian destacou que esse "fracasso fundamental", na hora de entender que a saúde e a vida do ser humano dependem da saúde do planeta, é o problema mais importante que a humanidade enfrentará nos próximos anos. O não reconhecimento da urgência da situação põe em risco a existência de espécies e ecossistemas que são fundamentais na obtenção de remédios, segundo Chivian.Aprendendo com os ursos - O especialista citou animais em perigo de extinção como os ursos polares e os ursos negros, que são capazes de hibernar entre três e sete meses por ano sem perder massa óssea. A compreensão deste processo poderia ajudar a encontrar soluções de problemas como a osteoporose e disfunções renais, já que os ursos não urinam nem defecam durante os longos meses de hibernação.Por sua parte, Warren Evans, diretor do Departamento de Meio ambiente do Banco Mundial, afirmou que "é momento de atuar". Evans saudou o apoio coletivo que os países industrializados deram durante a cúpula do G8 em julho a um projeto de desenvolvimento sustentável em benefício dos mais pobres. Segundo o diretor, existe uma consciência internacional cada vez maior sobre a necessidade de impulsionar um meio ambiente saudável para as gerações presentes e futuras.

Agencia Estado,

06 de outubro de 2005 | 02h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.