Presidente de Taiwan irá à posse do papa; China se cala

O presidente de Taiwan, Ma Ying-jeou, comparecerá na semana que vem à cerimônia de posse do papa Francisco, apesar dos apelos da China para que o Vaticano rompa relações com a ilha autônoma.

Reuters

15 Março 2013 | 09h23

O Vaticano é o único aliado diplomático europeu de Taiwan, que tem governo próprio desde que nacionalistas chineses se refugiaram na ilha, ao final da guerra civil contra as forças comunistas do país, em 1949. Pequim continua considerando Taiwan uma província rebelde.

"A Santa Sé é nossa aliada diplomática, e o presidente... está comandando uma delegação para participar da posse do novo papa", disse a vice-chanceler Vanessa Shih a jornalistas em Taipé.

"Os dois países partilham de muitos valores universais, tais quais liberdade, democracia, liberdade de culto, justiça... Temos muitas crenças e valores comuns, e portanto temos tido uma estreita amizade", acrescentou.

O papa Francisco, argentino eleito no conclave desta semana, será oficialmente instalado no dia 19 como líder da Igreja. As missas inaugurais dos papas costumam ter a presença de chefes de Estado e governo estrangeiros.

A China, que vive uma fase de relativa trégua diplomática com Taiwan, não se pronunciou sobre a viagem de Ma ao Vaticano.

(Reportagem de Christine Lu, em Taipé, e Terril Yue Jones, em Pequim)

Mais conteúdo sobre:
RELIGIAO PAPA TAIWAN CHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.