Presidente sul-africano abre Cúpula Mundial

O presidente da África do Sul, Thabo Mbeki, abriu, na manhã de hoje, a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, anunciando que seus temas-chave são a pobreza e a ?crise ecológica global?. Mbeki, nomeado presidente da conferência, disse que ?não é segredo que a comunidade global não tem demonstrado disposição de cumprir os compromissos? firmados no Rio há dez anos e que, nesse período, ?a degradação ambiental e a pobreza aumentaram?. Mbeki reiterou que o objetivo dessa cúpula é adotar ?medidas práticas para alcançar resultados? com base nos princípios consagrados na Agenda 21. ?Não temos nova agenda para descobrir. Não há necessidade de rediscutir o que já foi resolvido?, salientou o presidente. ?Temos agora é que mostrar que estamos comprometidos com a solidariedade humana, em lugar da lei do mais forte. Os povos do mundo esperam programas práticos para tornar esses princípios realidade.? Negociadores dos 188 países representados na cúpula estão tentando obter acordo sobre os 25% do Plano de Implementação da Agenda 21 sobre os quais não se alcançou consenso na reunião preparatória de Bali, entre maio e junho. O outro documento a ser firmado pelos chefes de Estado e de governo no dia 4 é uma declaração política, com o compromisso de executar o Plano de Implementação. O secretário-geral da cúpula, o indiano Nitin Desai, que falou em seguida, também colocou a ênfase no tema da pobreza. Desai lembrou o discurso de boas-vindas de Mbeki, feito na noite de domingo, no qual o presidente sul-africano disse que a divisão entre ricos e pobres representa um ?apartheid global?. Desai lembrou que o apartheid acabou porque ?o resto do mundo? não o considerou problema só dos sul-africanos, referindo-se às pressões internacionais para que a África do Sul pusesse fim ao regime de segregação racial. ?Da mesma maneira, a solidariedade será necessária para acabar com o apartheid global?, filosofou o indiano. ?Simplesmente não temos o direito de desapontar bilhões de pessoas?, exortou o diretor-executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Unep), o alemão Klaus Töpfer, enfatizando que ?os pobres são as maiores vítimas do desenvolvimento insustentável?. Segundo Töpfer, essa será a cúpula da ?implementação, prestação de contas e parceria?. Com o objetivo de ?lutar contra a pobreza?, promover uma ?prosperidade responsável? e uma ?globalização com face humana?. Veja o especial sobre a Cúpula

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.