Pressão de avicultores europeus muda alerta sobre gripe

A pressão de avicultores, frigoríficos e supermercados levou a Autoridade Européia para a Segurança Alimentar (EFSA) a fazer um comunicado, nesta quarta-feira, afirmando não ter nenhuma prova de que o consumo de frango ou seus derivados cause a gripe aviária - embora não exclua essa possibilidade.A cadeia que envolve produtos avícolas na Europa é estimada em ¢ 15 bilhões e enfrenta uma forte queda nas vendas, por causa da preocupação dos consumidores com a gripe aviária.A reação dos produtores ocorreu quando o Financial Times publicou a informação de que a EFSA recomendaria, nesta quarta, que os europeus não consumam ovos crus e que cozinhem o frango muito cuidadosamente para reduzir o risco de contágio.A organização, com sede em Parma, na Itália, recomendou calma à população e afirmou que "que não há risco de propagação do vírus" por consumir ovos crus, mas reconheceu que "não exista risco zero"."Sempre há um risco", afirmou o comissário europeu de Saúde, Philip Tod, segundo a agência Efe. Podem existir, explicou ele, "riscos residuais de outras infecções pelo consumo de produtos crus".A EFSA manteve em seu comunicado as recomendações de cozinhar bem a carne e os ovos, como já tinha recomendado antes, para evitar doenças como a salmonela, conselho que agora estende para prevenir "qualquer risco potencial"."Embora seja pouco provável que o H5N1 possa passar aos humanos através da carne de frango crua e dos ovos crus, cozinhar a comida adequadamente tornaria o vírus inativo e eliminaria qualquer risco potencial", afirma o comunicado.   leia mais sobre gripe aviária

Agencia Estado,

26 de outubro de 2005 | 11h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.