Primatas têm um novo ancestral comum, de 13 mil anos

Nas últimas décadas, paleoantropólogos conseguiram traçar a linhagem humana até 6 milhões de anos atrás, achando diversos fósseis pelo mundo - o mais recente, o Orrorin tugenensis.Agora, a revista Science traz em suas páginas aquele que pode ser o mais antigo ancestral comum aos grandes primatas, a linhagem que se ramificou e resultou nos humanos, orangotangos, chimpanzés e gorilas.Achado em uma vila na Espanha, o fóssil é o primeiro de sua época, de 12,5 milhões a 13 milhões de anos atrás, a ter uma combinação bem preservada de crânio, dentes e do restante do corpo.FormaAté então, o registro fóssil dessa época era tão fragmentado que os pesquisadores tinham dificuldade em chegar a um consenso em relação à forma da árvore genealógica dos primatas.Os primeiros restos foram descobertos em dezembro de 2002, mas foi preciso esperar até o verão de 2003 para que uma grande escavação fosse feita e a equipe de Salvador Moyà-Solà trouxesse à tona costelas, pulso, mãos e vértebras.Batizado de Pierolapithecus catalaunics, em homenagem à pequena cidade espanhola de Els Hostalets de Pierola, onde foi achado, o fóssil "promete contribuir substancialmente para o nosso entendimento da origem dos macacos atuais e do homem", dizem os autores do artigo.Ser ou não serMas a certeza, como é comum nessa área, não é compartilhada por todos os especialistas.Alguns, como o paleoantropólogo Steven Ward, da Universidade de Northeastern Ohio, acredita que "é uma descoberta maravilhosa, um sonho que se torna realidade".Outros, como David Pilbeam, da Universidade de Harvard, discordam e acham que o novo fóssil pode muito bem não ser da linhagem dos grandes primatas.

Agencia Estado,

18 de novembro de 2004 | 22h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.