Primaz anglicano dá eucaristia secreta ao clero homossexual

Lista de convidados foi destruída depois de aprovada; ceri^mônia pode aprofundar divisões na Igreja Anglicana

EFE,

30 de novembro de 2007 | 18h11

O arcebispo de Canterbury e primaz da Igreja Anglicana, Rowan Williams, presidiu na quinta-feira, 29, uma cerimônia de eucaristia secreta para clérigos homossexuais de ambos os sexos.      Durante o serviço religioso, realizado, segundo o jornal The Times, na igreja de All Hallows by the Tower, Williams falou da "realidade atual e de possibilidades futuras para lésbicas e gays dentro da Igreja".      O setor mais conservador do anglicanismo criticou o arcebispo por celebrar um serviço religioso que pode se tornar um "foco dedivisão", diz o jornal.      A eucaristia seria celebrada inicialmente em outro templo, mas se decidiu mudar de lugar de última hora para evitar a atenção dos meios de comunicação, após a divulgação de uma notícia em um portal da Church Society, grupo evangélico conservador.      A reunião presidida por Williams foi convocada por uma organização de apoio ao clero homossexual e esteve cercada de tanto segredo que foram dadas instruções para que se destruísse a lista com os nomes dos presentes assim que o primaz a tivesse analisado.      A organização, com entre 250 e 450 filiados, tem como objetivo ajudar seus membros a conciliar uma vida cristã com suas inclinações sexuais.      Uma porta-voz de Williams afirmou à imprensa que "o arcebispo está comprometido com o processo de ouvir (estes clérigos), estipulado na conferência de Lambeth (sua residência oficial), em 1998, como parte dos debates sobre a sexualidade".      Isso significa, acrescentou a porta-voz, "ouvir e discutir" com o clero homossexual em um ambiente de receptividade pastoral.      No entanto, Williams foi criticado pelos evangélicos para que esse tipo de ação possa ser interpretada como um apoio ao setorliberal da comunhão anglicana mundial.      O secretário-geral da conservadora Church Society, David Phillips, disse que seus membros tinham dúvidas sobre algumas daspessoas que participaram da reunião por suas relações homossexuais.      Phillips acrescentou que seu grupo chegou há algum tempo à conclusão de que "Williams não era a pessoa idônea para ser arcebispo" de Canterbury.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.