Procurador quer liminar para uso de embriões em pesquisa

O procurador da República João Gilberto Gonçalves Filho, de Taubaté (SP), ajuizou uma ação civil pública e pediu uma liminar para liberar pesquisas com células-tronco obtidas de embriões humanos descartados em clínicas de reprodução assistida.A liberação está prevista no projeto da Lei de Biossegurança, mas este ainda vai ser votado - pela segunda vez - na Câmara dos Deputados. As células-tronco são promissoras para o tratamento de doenças neurodegenerativas e diabetes, entre outras. A ação foi ajuizada na terça-feira e especifica, como no texto da Lei de Biossegurança, que só podem ser usados embriões gerados in vitro. Os pesquisadores devem, também, obter autorização expressa dos genitores para uso dos embriões.Gonçalves tem chamado atenção recentemente ao ajuizar ações sobre temas polêmicos. Uma delas exige que o governo abra os arquivos das forças de repressão do regime militar brasileiro e outra permite a oficialização de casamentos homossexuais.   leia mais

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.