Procuradoria de Roma investiga contas do Banco do Vaticano

Suspeita é de esquema que cria um canal para o fluxo de recursos entre o banco vaticano e a Itália

Efe,

26 Novembro 2009 | 09h35

A Procuradoria de Roma investiga a verdadeira titularidade de uma ou mais contas correntes abertas no banco italiano Unicredit em nome do Banco do Vaticano (IOR). A suspeita é de que essas contas correntes tenham servido para encobrir pessoas ou sociedades "que criaram um canal para o fluxo de recursos entre o banco vaticano e a Itália". Passaram por essa conta ou contas, segundo a imprensa italiana, 60 milhões de euros anuais nos últimos três anos.

 

Veja também:

linkPapa nomeia novo bispo da diocese mineira de Teófilo Otoni

linkIgreja Católica atrairá anglicanos no Brasil 

 

As investigações são comandadas pelo procurador Stefano Rocco Fava e pelo procurador-adjunto Nello Rossi e transcorrem em meio a uma grande discrição. Até agora, não há nenhum investigado.

 

Os procuradores tentam revelar a autêntica titularidade de uma ou mais contas abertas em nome do IOR em uma filial do Unicredit em uma rua de Roma próxima ao Vaticano. Os investigadores suspeitam de violações na normativa da União Europeia (UE) obre a transparência na titularidade das contas.

 

O Instituto para as Obras Religiosas (IOR), com sede na Cidade do Vaticano, foi fundado por Pio XII em 1942 e tem personalidade jurídica própria. Seu presidente é o economista italiano Ettore Gotti Tedeschi, de 64 anos.

 

No início dos anos 80, o banco vaticano se viu ligado ao escândalo da quebra do Banco Ambrosiano, de Roberto Calvi, encontrado enforcado embaixo de uma ponte de Londres em 1982. O velho Ambrosiano, do qual o IOR tinha 16% do capital, quebrou em 1982 devido a um rombo de quase US$ 600 milhões em valores da época derivado do desvio de fundos para usos privados e para uma loja maçônica. A quebra da entidade levou mais de 30 empresas à falência.

 

Calvi era muito bem relacionado com a Santa Sé e, embora o Vaticano sempre tenha rejeitado qualquer responsabilidade na quebra, admitiu seu "envolvimento moral" e decidiu pagar US$ 241 milhões aos credores da entidade.

Mais conteúdo sobre:
Banco do Vaticano investigaçao

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.