Salvatore Di Nolfi/AP - 01/12/2009
Salvatore Di Nolfi/AP - 01/12/2009

Proibição a minaretes ameaça a própria Suíça, diz ministra

Segundo Micheline Calmy-Rey, revés para a coexistência de diferentes culturas e religiões 'ameaça a segurança'

Agência Estado,

01 Dezembro 2009 | 15h55

A decisão dos eleitores da Suíça de proibirem a construção de novos minaretes representa uma ameaça à segurança do país, afirmou a ministra das Relações Exteriores suíça, Micheline Calmy-Rey, nesta terça-feira, 1. Segundo ela, no mundo atual qualquer revés para a coexistência de diferentes culturas e religiões "também ameaça nossa segurança".

Veja também:

link ONU critica proibição de minaretes aprovada na Suíça

link Suíça aprova proibição a minaretes e gera protestos

 

No domingo, 57% dos suíços aprovaram um referendo para proibir as construções de minaretes, torres de mesquitas de onde tradicionalmente se anuncia a hora das orações aos muçulmanos. Micheline ressaltou, porém, que a decisão não deve afetar as relações do país com nações muçulmanas.

 

A ministra avaliou que a decisão é uma expressão de medo, diante da "onipresença de imagens de tendência extremista". Micheline disse que a decisão, na verdade, "nos motiva a fazer esforços adicionais em busca de abertura e parcerias entre Estados muçulmanos e não muçulmanos.

 

A ministra lembrou que a medida não afeta a construção de novas mesquitas, na "bem integrada" comunidade muçulmana suíça. Há mais de 200 mesquitas no país europeu.

 

O primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan, condenou a decisão dos suíços. Nesta terça-feira, Erdogan afirmou que ela era sinal de "ondas de racismo e nacionalismo extremo crescendo na Europa". Ele pediu ainda que o "erro" seja corrigido "o mais rápido possível". O presidente turco, Abdullah Gul, qualificou a decisão como "vergonhosa".

 

A chefe do setor de direitos humanos das Nações Unidas, Navi Pillay, também criticou o fato. Navi qualificou a medida como "discriminatória" e "profundamente divisora". "Eu hesito em condenar uma votação democrática", notou. Mas em seguida ela afirmou que "não hesita em condenar" o uso do medo para influenciar sentimentos contra os estrangeiros que "caracterizaram campanhas em muitos países, incluindo a Suíça". As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.