Projeto de lei para gestão de florestas públicas é adiado

A aprovação do projeto de lei de Gestão de Florestas Públicas na Comissão Especial da Amazônia foi mais uma vez adiada nesta quarta-feira. Com isso, o projeto, que deveria ir para plenário ainda nesta quarta, fica mais uma vez sem data para ser votado.O projeto de lei de gestão de florestas públicas cria a possibilidade de exploração econômica de áreas de florestas nativas, tanto por concessão a empresas privadas quanto por populações nativas, mas sob o controle do governo. A idéia é que haja atividades econômicas nas áreas, mas sem afetar o ambiente.De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, que propôs a lei, a idéia é que 13 milhões de hectares - o equivalente a 3% da Amazônia - sejam explorados dessa forma nos próximos 10 anos. O ministério calcula que poderão ser gerados R$ 180 milhões em recursos diretos, por meio das concessões, e outros R$ 1,9 bilhão em impostos.O relatório do deputado Beto Albuquerque (PSB-RS) começou a ser apresentado. Albuquerque inclui cerca de 20 alterações nos últimos dias. Entre elas, a obrigação de serem realizados estudos de impacto ambiental para todos os projetos concedidos dentro dessa legislação e a determinação que cada empresa só poderá ter, no máximo, dois projetos por área de concessão. No entanto, a leitura do relatório - obrigatória antes da votação - foi interrompida por uma manobra do deputado Anivaldo Vale (PSDB-PA).Vale, que é ligado a agropecuaristas, insistiu que a sessão devia ser encerrada porque a ordem do dia - sessão do plenário da Câmara em que há votações - já havia começado. Pelo regimento da Casa, todas as comissões devem encerrar os trabalhos quando começa a ordem do dia. Na prática, isso só acontece quando as votações começam. No entanto, a insistência de Vale fez com que o presidente da comissão, Miguel Souza (PL-RO), suspendesse a sessão com a promessa de retomá-la depois de encerrada a ordem do dia.

Agencia Estado,

01 de junho de 2005 | 19h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.