Proteína de insetos deve virar remédio contra cólera

Cientistas alemães da Universidade de Giessen estão desenvolvendo uma nova geração de medicamentos contra a cólera e a gangrena utilizando o sistema imunológico dos insetos, informa a revista National Geographic Deutschland na edição que será publicada em julho.Os cientistas descobriram nos vermes e larvas de certas borboletas e insetos substâncias que bloqueiam exclusivamente enzimas muito tóxicas de diversos agentes patógenos, afirmou o catedrático em entomologia Andreas Vilcinskas, segundo um comunicado da publicação."Estamos pesquisando se as moléculas com as quais os insetos se defendem contra as bactérias podem ser úteis para a medicina porque muitos germes são cada vez mais resistentes aos antibióticos tradicionais", afirmou o cientista.O desenvolvimento da nova geração de antibióticos pode demorar ainda uma década, disse o catedrático de Giessen.A estrutura dessas substâncias inibitórias é absolutamente desconhecida até agora pelos cientistas, que se propõem a isolar as proteínas que atuam contra as enzimas, mas também contra as bactérias e os fungos.Essas moléculas não apenas bloqueiam as enzimas da cólera e da gangrena, como também podem atuar contra o antraz (estafilococos) e o botulismo (intoxicação por um bacilo contido em alimentos embalados em más condições higiênicas).

Agencia Estado,

15 de junho de 2005 | 12h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.