Proteína do pepino-do-mar combate malária, diz estudo

Pesquisa mostra efeitos de mudança genética em parasita transmissor da doença.

BBC Brasil, BBC

23 de dezembro de 2007 | 18h25

Um estudo afirma que proteínas de pepinos-do-mar podem ser usados para bloquear a transmissão da malária.A criatura marinha produz lectina, uma proteína que impede o crescimento do parasita transmissor da malária.Uma equipe de cientistas de diversos países alterou geneticamente mosquitos transmissores da malária. A modificação fez com que eles produzissem a mesma proteína dos pepinos-do-mar.A proteína impediu a formação dos parasitas da malária dentro dos estômagos dos insetos.Mais de 500 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de malária a cada ano. Cerca de um milhão morrem. Estima-se que 40% da população mundial está exposta ao mosquito transmissor.'Problemas práticos'A pesquisa foi publicada na revista científica PLoS Pathogens.O resultado provou que a técnica é eficiente contra diversos parasitas que causam malária. A lectina é letal para parasitas que ainda estão em fase de formação."Estes resultados são muito promissores e mostram que mosquitos geneticamente gerados desta forma têm um impacto evidente na habilidade dos parasitas de se multiplicarem dentro do mosquito hospedeiro", disse um dos autores do estudo, o pesquisador Robert Sinden, do Imperial College London.No entanto, ele disse que ainda é necessário realizar muitas pesquisas para desenvolver uma técnica de combate à malária."Apesar de a proteína do pepino-do-mar reduzir significativamente o número de parasitas nos mosquitos, ela não a removeu totalmente de todos os insetos. Nossa meta é achar uma forma de mosquitos geneticamente criados na qual o parasita da malária não consiga se desenvolver."Para o pesquisador Ron Behrens, da London School of Hygiene and Tropical Medicine, a criação de espécies geneticamente modificadas de mosquitos pode enfrentar problemas práticos no futuro."Seria preciso que a versão modificada virasse a espécie predominante, e isso nunca foi feito em nenhum ambiente antes", disse Behrens.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.