Prótons dão volta completa no acelerador LHC

Sucesso do primeiro teste foi comemorado; colisão de partículas ainda não será realizada

Efe,

10 de setembro de 2008 | 05h56

A primeira tentativa de colocar em circulação um feixe de milhões de prótons no acelerador LHC, o mais potente do mundo, do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN), foi bem sucedida nesta quarta-feira, 10. Os cientistas conseguiram fazer com que as partículas dessem uma volta completa no enorme túnel circular de 27 quilômetros. Entenda o LHCEntra em funcionamento colisor de partículas na SuíçaExperiência do LHC depende de rede mundial de computadores Estudo reafirma que acelerador de partículas LHC é seguro Cientistas criam rap para explicar o Grande Colisor de Hádrons Terminam os últimos testes do Grande Colisor de Hádrons Acelerador de partículas será testado em setembro LHC não vai destruir a Terra, conclui relatório de segurança Cientistas querem proibir simulação do 'Big Bang'  Site do Cern Site do LHC Grid Animação que explica como o LHC Grid funciona Vídeo do Cern explica o LHC em três minutos (em inglês)   Galeria com imagens do LHC  O êxito deste primeiro teste de funcionamento do Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês) foi muito comemorado pelas dezenas de cientistas presentes na sala de controle do organismo, que aguardavam com expectativa o resultado. Pesquisadores do Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern) iniciaram, às 9h30 desta quarta-feira, 10, horário de Genebra (4h30 em Brasília) a ativação do LHC, o maior e mais caro experimento de Física de todos os tempos. Num túnel de 27 km de circunferência, 100 metros abaixo do solo na fronteira entre França e Suíça, o primeiro feixe de partículas foi injetado no LHC. Alguns minutos depois, foi realizada uma segunda tentativa de injetar feixes de prótons, informaram responsáveis do CERN. O objetivo desta quarta-feira era conseguir que as partículas dessem uma volta completa no enorme túnel de 27 quilômetros do Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês), antes de realizar experimentos com colisões de prótons para tentar identificar novas partículas elementares. A evolução dos testes ainda é desconhecida, reconheceu Lyn Evans, diretor do projeto do LHC, que disse que "não é possível saber quanto tempo será necessário" para fazer com que os prótons circulem de maneira estável. O primeiro lançamento de partículas no acelerador foi no sentido horário, disse Evans. "Vamos ter de comprovar que cada um dos elementos da máquina funciona", acrescentou. Nesta terça-feira não serão realizados lançamentos em sentidos opostos, por isso não ocorrerão colisões de partículas.

Tudo o que sabemos sobre:
lhcfísicacern

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.