FELIPE RAU/ESTADAO
FELIPE RAU/ESTADAO
Imagem Fernando Reinach
Colunista
Fernando Reinach
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Quando o homem vai desaparecer?

Idade dos esqueletos humanos mais antigos encontrados é de 233 mil anos, segundo cientistas

Fernando Reinach *, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2022 | 05h00

Eu tinha 12 anos de idade. Folhas brancas de papel formavam uma faixa horizontal na parede da sala de aula, na escola. Na extremidade esquerda, desenhamos uma linha vertical e escrevemos “3.200 anos antes de Cristo” e “fim da Pré-história”. E, na ponta direita, outra linha com o ano “1.968”. À sua direita, escrevemos “futuro”. A professora nos fez dividir a linha em cinco intervalos de mil anos e marcamos cada assunto que iríamos estudar.

Cinquenta anos depois, ainda cultivo uma linha do tempo. Ela descreve a história do Homo sapiens. O lado direito ainda termina no presente, mas o lado esquerdo começa em “250.000 anos antes de Cristo”. Em seguida, coloco “15.000 anos antes de Cristo”, o início da domesticação das plantas e animais. Em “3.200 anos antes de Cristo”, coloco o aparecimento da escrita, e o resto da minha linha do tempo continua mais ou menos igual.

O que mudou foi o comprimento da pré-história, um período que cobre 98% da história de nossa espécie. Na escola, estudei somente os últimos 2% da história da espécie humana. E nem chegamos no golpe de 1964.

Agora, um grupo de cientistas conseguiu medir com precisão a idade dos esqueletos mais antigos que conhecemos de nossa espécie, encontrados durante as décadas de 1960 e 1970, onde hoje é a Etiópia.

A idade desses esqueletos tem sido motivo de muita discussão, dada a dificuldade de determinar de que época é o material. Muitos cientistas acreditavam que essas pessoas tinham morrido entre 155 mil e 190 mil anos atrás.

Mas, analisando novamente a área onde os fósseis foram descobertos, foi possível correlacionar os sedimentos com o material depositado na região após uma erupção vulcânica, cuja data é bem estabelecida pelos pesquisadores.

Com esses novos dados, os cientistas estimaram que a idade desses esqueletos é de 233 mil anos, sendo que o intervalo de confiança dessa medida é de 22 mil anos, uma margem de erro de menos de 10%.

Assim, podemos afirmar que o ser humano surgiu no planeta aproximadamente há 233 mil anos. Ele pode ter surgido antes, mas não depois. Corrigi minha linha do tempo, que agora começa 233 mil anos atrás. O interessante é que o erro dessa medida (22 mil anos) é quase cinco vezes mais longo do que o período que estudei na escola.

Mas o que me preocupa é quanto tempo nossa espécie ainda vai sobreviver. Sabemos que mais de 99% das espécies que habitaram o planeta estão extintas. Serão mais 500 anos, 5 mil, 50 mil?

Depende de como nós conservamos o meio ambiente em que vivemos. Do jeito que a coisa anda, creio que mil anos seja um bom palpite. E, se assim for, já vivemos 99% de nossa existência. Estamos próximos do fim dela. O resto dos seres vivos agradece.

Mais informações: Age of the oldest known Homo sapiens from eastern Africa. Nature  

* É BIÓLOGO, PHD EM BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR PELA CORNELL UNIVERSITY E AUTOR DE A CHEGADA DO NOVO CORONAVÍRUS NO BRASIL; FOLHA DE LÓTUS, ESCORREGADOR DE MOSQUITO; E A LONGA MARCHA DOS GRILOS CANIBAI

Tudo o que sabemos sobre:
Etiópia [África]arqueologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.