Quem dança bem é mais atraente, diz pesquisa

As pessoas que causam impressão numa pista de dança sempre foram vistas como bons partidos, mas os cientistas agora explicaram o porquê. Segundo um estudo de pesquisadores da Rutgers University, publicado na última edição da revista Nature, as pessoas que têm um melhor balanço normalmente são mais simétricas, que é o que as pessoas buscam em um parceiro.Os pesquisadores usaram câmeras especiais para gravar os movimentos de dançarinos, mas não suas aparências. O estudo indicou que os que se movimentam com mais simetria eram considerados os melhores dançarinos.A pesquisa analisou 183 dançarinos na Jamaica. Cada pessoa dançava a mesma música no mesmo local e em frente à mesma equipe de gravação por um minuto. Os vídeos dos 20 melhores e dos 20 piores dançarinos foram selecionados, baseados em sua simetria corporal - medida pela comparação de certos pontos no corpo, como ombros, dedos e orelhas.Os vídeos, que mostram o movimento, mas não a aparência das pessoas, foram então mostrados para 155 pessoas. Os dançarinos simétricos tiveram uma avaliação melhor do que os não-simétricos, especialmente pelas mulheres. No artigo, a equipe liderada pelo pesquisador William Brown sugere que a maior ênfase colocada na simetria por mulheres sustenta a teoria de que as mulheres, que normalmente carregam a maior parte do peso sobre a criação dos filhos, são mais exigentes ao selecionar um parceiro.George Fieldman, psicólogo no University College, de Londres, especializado em pesquisas sobre atração sexual, diz ser verdade que as pessoas buscam simetria num parceiro. ?Se você é simétrico, isso significa que tem os genes que controlam isso e que nada ocorreu para mudar isso da concepção à idade adulta?, afirma. ?Alguém que é simétrico poderia fazer coisas como correr mais rápido, então escolher alguém simétrico significaria ser capaz de se defender melhor e conseguir as melhores presas.?

Agencia Estado,

22 de dezembro de 2005 | 11h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.