'Quem vive em graça não teme sofrimento', diz Bento XVI

O pontífice também pediu que fiéis olhem santos e procurarem santidade, mesmo sem fazer nada de especial

Ansa

20 de agosto de 2008 | 15h30

"Se os homens soubessem o que é viver em graça não temeriam nenhum sofrimento e partiriam voluntariamente para qualquer pena, pois a graça é fruto da paciência", disse nesta quarta-feira o papa Bento XVI durante a audiência geral realizada em sua residencial oficial de verão de Castelgandolfo.   Bento XVI escolheu também, entre os santos aos quais dedicou a catequese desta quarta-feira, 20, Santa Rosa de Lima, a primeira santa canonizada do continente latino-americano, do qual é patrona principal, recordando sua morte com apenas 31 anos, em 1617 "após uma breve existência cheia de privações e sofrimento".   O Pontífice citou depois São João Eudes, celebrado na terça-feira, 19, São Bernardo de Chiaravalle, "grande doutor, ao qual foi dedicado o dia de hoje, e Pio X, cujo dia é amanhã, sem esquecer a Beata Virgem Maria na próxima sexta-feira", uma solenidade que o Concílio do Vaticano II quis como complemento da Assunção de Ferragosto, "pois os dois privilégios formam um único mistério."   Santidade   "A santidade não é um luxo, não é um privilégio de poucos, mas o destino comum de todos os homens chamados para serem filhos de Deus, a vocação universal de todos os batizados", disse Bento XVI aos fiéis reunidos no pátio da residência de verão de Castelgandolfo para assistir a audiência geral.   Olhar os santos e procurar a santidade, mesmo sem fazer nada de especial, mas difundindo "serenidade e otimismo" e estando próximo de Deus, foi o convite feito por Bento XVI aos presentes.   "A santidade é oferecida a todos mesmo se nem todos os santos são iguais. E não necessariamente é grande santo aquele que possui carisma extraordinário. Existem de fato muitos cujo nome é conhecido apenas por Deus, pois na Terra levaram uma vida aparentemente normalíssima. O exemplo deles testemunha que, apenas quando se está em contato com o Senhor, conseguimos nos encher de sua paz e sua glória e somos capazes de difundir por todos os lugares serenidade, esperança e otimismo", prosseguiu Sua Santidade.   Bento XVI lembrou São Bernardo de Chiaravalle, místico "desejoso de viver imerso no vale luminoso da contemplação, mas conduzido pelos eventos a viajar pela Europa para servir a Igreja". E citou depois o escritor George Bernanos, "que foi sempre fascinado pela idéia dos santos, e que escreveu: cada vida de santo é como um novo florescer de primavera. A Igreja nos oferece, portanto, a possibilidade de caminhar em companhia dos santos".   Por fim, um outro convite aos fiéis, muitos dos quais ainda em férias: "o período de férias constitui certamente um tempo útil para pegar a biografia e os escritos de qualquer santo ou santa em particular, mas cada dia do ano nos oferece a oportunidade de nos familiarizar com os nossos patronos celestes".

Tudo o que sabemos sobre:
papa Bento XVIreligião

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.