Rabino autoriza 1ª mãe de aluguel ultra-ortodoxa em Israel

Primeira mãe de aluguel receberá US$ 25 mil por seus serviços; rabino constatou que mulher não é 'promíscua'

Efe,

26 de maio de 2009 | 17h09

Um rabino deu sinal verde, pela primeira vez em Israel, para que uma judia ultra-ortodoxa seja mãe de aluguel, após constatar que ela não é "promíscua".

 

A mulher, uma viúva do sul do país, dará à luz uma criança para um casal também ultra-ortodoxo que tenta ter um filho há 12 anos, como informou nesta terça-feira, 26, a edição digital do diário Yedioth Ahronoth.

 

O casal exigiu que a mãe biológica fosse também uma judia praticante, para ter certeza de que "nos próximos nove meses o bebê cresça em uma atmosfera de santidade e pureza no ventre de uma judia".

 

O fato de ser o primeiro caso de mãe de aluguel no mundo ultra-ortodoxo judeu mostra as reservas entre seus membros e muitos rabinos diante da prática, que, para eles, se afasta das visões tradicionais de família e maternidade que guiam suas vidas.

 

Apesar de os rabinos divergirem sobre o assunto, alguns temem que a prática degrade o conceito de maternidade, comercialize o corpo feminino, aumente as diferenças de classe ou, até, abra portas para alguma forma de adultério.

 

A primeira mãe de aluguel receberá US$ 25 mil por seus serviços, embora ela insista que sua principal motivação é ajudar casais com problemas.

 

Há anos, a viúva pediu ao Instituto de Fertilidade e Medicina, seguindo as regras da Halajá (lei religiosa judaica), que um rabino permitisse que ela exercesse a função de mãe de aluguel.

 

"Ela recebeu a autorização do comitê especial do Ministério da Saúde e, assim que o casal apropriado for encontrado, o processo deve começar", explicou o rabino Menachem Borshtein, responsável pelo instituto.

Tudo o que sabemos sobre:
mãe de alugueljudeus ortodoxosIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.