Rabinos de Israel dizem que aborto atrasa vinda do messias

Os rabinos-chefes calculam em torno de 50 mil as interrupções anuais da gravidez no Estado de Israel

EFE,

29 Dezembro 2009 | 10h33

Os dois grandes rabinos de Israel dirigiram uma carta às comunidades judaicas locais dizendo que os abortos no país "atrasam a chegada do messias", informa a edição digital do jornal Yedioth Ahronoth.

 

"A imensa maioria dos abortos é desnecessária e está proibida pela Halajá (lei religiosa judia)", assinalam Yona Metzger e Shlomo Amar na carta.

 

No escrito, o rabinato superior anuncia que estuda renovar a luta contra o aborto com a criação em seu seio de um comitê especial para tratar de impedir o "assassinato de fetos no ventre das mães".

 

Trata-se de uma "autêntica epidemia que leva a cada ano a vida de dezenas de milhares de judeus" e que "além da gravidade do pecado, atrasa a chegada do messias".

 

Metzger e Amar baseiam sua relação entre abortos e o atraso do messias na crença de que ele não virá até que cheguem ao mundo todas as almas que deveriam provir de mães judias.

 

Os rabinos-chefes calculam em torno de 50 mil as interrupções anuais da gravidez em Israel, 20 mil delas "de forma ilegal e contra a lei".

 

"Malditos aqueles que não se assustem com essas informações" em um país de 7 milhões de habitantes, assinalam os líderes religiosos judeus na carta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.