Raios podem ser monitorados via Internet

Os 70 milhões de raios que todos os anos caem sobre o Brasil, poderão ser acompanhados, via internet, de uma forma simples e rápida. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) lançou nesta semana uma página em seu site na Internet, onde é possível saber, em tempo integral, em que região do país ou do Estado está ocorrendo umatempestade. A página na internet foi desenvolvida em seis meses pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica do Inpe com dados que já são estudados há cerca de quinze anos. Segundo o coordenador da pesquisa, Osmar Pinto Junior, o sistema de comunicação de descargas elétricas é possível graças a uma rede de 23 sensores espalhados nas regiões Sudeste, Sul eCentro-Oeste do Brasil que captam os raios e transmitem para um único sistema. ?Atualmente um terço do país pode ser monitorado. Os raios são mostrados via internet com uma diferença de um minuto? explica o cientista. A pesquisa foi realizada em uma parceria do Inpe cominstituições de pesquisa e companhias de energia elétrica. ?São cinco empresas que colaboraram para que esta página se tornasse acessível ao público?. O pesquisador ressalta que houve uma grande preocupação em facilitar o sistema para qualquer computador que esteja conectado à Internet. ?A intenção é fornecer em caráter público informações sobreraios?.A área de interesse pela página, segundo o cientista, é muitoabrangente. ?De companhias aéreas ao simples cidadão que está programando um passeio ao ar livre?. Entre as empresas que estarão utilizando a nova página, o pesquisador destaca as do setor elétrico, telefônico, meteorológico. ?Além dos órgãos de Defesa Civil, para os quais é importante saber das tempestades?. Neste ano o sistema exclui a incidência de raios sobre as regiões Norte e Nordeste. ?A partir do próximo ano, 22 novos sensores serão instalados e novas 12 empresas estarão nesta parceria. A partir daí, a cobertura será total?.

Agencia Estado,

12 de março de 2003 | 17h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.