Reator de fusão nuclear deve ser construído na França

A construção do primeiro reator experimental de fusão nuclear (ITER) se iniciará este ano na França, após um acordo que será assinado no mês que vem pela União Européia e o Japão, informa a imprensa local. Após dois anos e meio de confrontos para decidir a sede do projeto, se chegou a um acordo que deverá ser aprovado em nível ministerial com todos os países participantes, segundo o jornal econômico Nihon Keizai.O jornal indica que a União Européia ofereceu financiar a metade das instalações de pesquisa nuclear na localidade japonesa de Rokkasho, que competiu com Cadarache (França) para alojar o projeto, idealizado há vinte anos. A UE ofereceu, além disso, fazer pedidos a empresas japonesas para a construção do ITER no valor de mais de US$ 530 milhões, continua a informação.Acrescenta que, a partir do término da obra em 2012, os países participantes do ITER explorarão durante vinte anos formas de gerar eletricidade através da energia produzida por reações de fusão termonuclear.A informação do jornal aparece depois que um funcionário japonês desmentiu declarações do deputado Pierre Lellouche, emissário do governo francês para o ITER, a respeito da iminência de um acordo com compensações de tipo industrial que permitisse a Tóquio "retirar-se com honra".Segundo outros meios de comunicação locais, o Ministério japonês de Educação, Ciência e Tecnologia discorda do de Finanças, que se opõe ao projeto devido ao alto custo do reator, calculado em mais ou menos US$ 13 bilhões.

Agencia Estado,

07 de maio de 2005 | 08h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.