Reciclagem de latinhas atinge 87% em 2002

O índice de reciclagem de latas de alumínio no Brasil subiu para 87% em 2002 ante o índice de 85% apurado no ano anterior. O indicador corresponde a um volume de 121,1 mil toneladas de latas de alumínio recicladas, o equivalente a 9 bilhões de unidades. Os números indicam um crescimento de 2,6% sobre o volume coletado em 2001, que foi de 118 mil toneladas, o equivalente a 8,7 bilhões de unidades. O índice divulgado hoje pela Associação Brasileira do Alumínio (Abal) coloca o Brasil na posição de maior reciclador de latas de alumínio pela segunda vez consecutiva entre os países onde essa atividade não é obrigatória por lei. De acordo com o coordenador da Comissão de Reciclagem da Abal, José Roberto Giosa, a cadeia de reciclagem de latas de alumínio movimentou R$ 850 milhões em 2002, dos quais R$ 423,5 milhões só com a compra do insumo. Segundo o executivo, atualmente 150 mil pessoas vivem da coleta de alumínio no Brasil, com um ganho médio de 1,3 salário mínimo por mês para cada pessoa. Economia de energiaAs empresas produtoras de alumínio primário economizaram 3,570 GW/h de energia em 2002 por conta da utilização de sucata no processo produtivo. Das 717,3 mil toneladas de alumínio consumidas no Brasil durante o ano passado, 253,5 mil toneladas foram recicladas, sendo 47,8% só de latas de alumínio. Segundo o coordenador da Comissão de Reciclagem da Associação Brasileira do Alumínio (Abal), José Roberto Giosa, a energia economizada seria suficiente para abastecer quatro cidades com 3,5 milhões de habitantes durante um ano. Ele explica, que a produção de alumínio a partir da sucata consome apenas 5% da energia utilizada para se produzir o metal primário.Levando-se em consideração só a reciclagem de latas de alumínio, a economia foi de 1.705 GW/h, o equivalente a 0,5% do consumo nacional brasileiro de energia. ?Essa demanda atende uma cidade de 1 milhão de habitantes, como Campinas?, exemplifica. Segundo o executivo, a reciclagem de uma única lata de alumínio economiza energia suficiente para manter ligado um aparelho de TV de 20 polegadas durante três horas. Segundo o presidente da Abal, João Beltran Martins, a reciclagem de alumínio no Brasil quase quadruplicou nos últimos doze anos. ?Em 1990 a reciclagem de alumínio no Brasil era de 65 mil toneladas por ano, ante as mais de 250 mil toneladas de 2002?, ressalta.MundoDurante todo o ano passado foram recicladas 8 milhões de toneladas de alumínio em todo o mundo, o equivalente a 24% do suprimento total do insumo. ?Levando-se em conta que cada tonelada de alumínio primário consome 15 MW/h, a reciclagem possibilitou uma economia mundial de 120 mil GW/h de energia?, destaca.Além da energia, a reciclagem poupa recursos minerais. Segundo o executivo, durante todo o ano passado 32 milhões de toneladas de bauxita (minério utilizado para fazer o alumínio) deixaram de ser explorados, com a reciclagem. ?Isso eqüivale a dois anos de produção da Mineração Rio do Norte (MRN), maior produtora de bauxita do Brasil?, afirma.

Agencia Estado,

15 de abril de 2003 | 15h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.