Reciclagem melhora rendimento escolar na Bahia

Desenvolvido pela Secretaria Municipal de Educação de Itabuna, município do sul da Bahia, o projeto Amigos do Meio Ambiente tem ensinado crianças de escolas rurais a transformar lixo em objetos comercializáveis. Voltado para educação ambiental e alternativa de renda para as famílias, o programa tem acertado também em seu principal alvo: a melhoria do rendimento escolar dos alunos.?Tínhamos um grande problema de dificuldade de aprendizagem quando começamos a trabalhar com plantio de árvores, com as crianças acompanhando o plantio e desenvolvimento das mudas, e percebemos reflexos positivos no rendimento escolar?, conta a professora Sumara Santana Midley Café, idealizadora do projeto. A partir daí, surgiu a idéia das oficinas de reciclagem, que poderiam atacar ainda outros dois problemas: a destinação dos resíduos sólidos e a criação de uma possibilidade de renda para os pais das crianças, a maioria deles desempregados devido à decadência da cultura do cacau na região, atingida pela praga vassoura de bruxa.Segundo Sumara, o programa começou no ano passado, em cinco escolas, atingindo 380 crianças. ?Neste ano, pretendemos expandir para as 40 escolas no meio rural e também na cidade?. Abertas aos familiares, as oficinas eram dadas pela própria coordenadora, que sabia fazer trabalhos com vidro e papel reciclados. Depois, mães e professoras que sabiam fazer algum novo produto foram se tornando também multiplicadoras.Atualmente, o programa tem apoio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente, da Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa) e do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que fornece cursos e material para as oficinas. O trabalho, em 2001, resultou em porta-lápis e objetos de decoração feitos com embalagens de vidro, colagens e cestas de papel reciclado, além de tapetes de tricô, feitos com tiras de plástico de sacolas de supermercado, e porta papel higiênico e castiçais de garrafas PET. Os produtos foram comercializados em uma exposição na praça de Itabuna no fim do ano e o valor arrecadado investido em material para as oficinas. ?Acrescentamos nas oficinas jogos e conteúdos pedagógicos, facilitando a aprendizagem, além de trazermos vídeos e informações relativas à reciclagem e meio ambiente. Com isso, temos ainda uma mudança de postura da criança em relação ao material que é jogado no lixo?, disse Sumara. A professora explica que a intenção, no futuro, é fazer a coleta seletiva de todo o lixo nas escolas rurais e urbanas na cidade. ?Mas para isso ainda dependemos de ter para onde encaminhar o material?.

Agencia Estado,

05 de março de 2002 | 15h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.