Rede de dados por satélite combaterá desmatamento

Uma rede virtual, com informações captadas por satélite, é apontada como a mais nova arma do governo para frear o desmatamento na Amazônia Legal. Batizado de Centro de Monitoramento Ambiental (Cemam), o sistema terá como base a sede do Ibama, conectada com 900 pontos do Sistema Integrado de Proteção da Amazônia (Sipam).Além de detectar, em tempo real, ações que indiquem o desmatamento, o centro está apto a apontar a ocorrência de queimadas, incêndios florestais e ocupação irregular do solo.Logo depois de inaugurar o sistema, na terça-feira, a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, afirmou que o Cemam tornará mais efetivas as ações de fiscalização feitas por funcionários. Além de uma ação dirigida, os dados fornecidos pelo sistema deverão inibir irregularidades dos agentes."Se você tem as imagens e as coordenadas geográficas, não há como o fiscal voltar de uma missão sem resultado prático", disse a ministra.QueixaO orçamento do Cemam é de R$ 6 milhões. A idéia é de que as atividades sejam divididas em áreas temáticas, todas com o objetivo de identificar atividades potencialmente poluidoras ou causadoras de degradação.Marina queixou-se que, embora venha dedicando sua gestão a atividades estruturantes, muitas vezes ela é incompreendida por vários setores da sociedade - incluindo o Ministério Público."A legislação ambiental é uma conquista que tem de ser respeitada", afirmou. "Não queremos satanizar ninguém, mas não somos pagos para sacralizar o crime."

Agencia Estado,

14 de abril de 2004 | 12h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.