Redução de CO2 permitiu a plantas ter folhas

Nem sempre as plantas tiveram folhas, e foi preciso a combinação de algumas condições para que elas se tornassem semelhantes ao que são hoje. Uma das condições foi a redução do dióxido de carbono (CO2) na atmosfera terrestre, segundo estudo que acaba de ser publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).Cientistas das universidades britânicas de Sheffield e de Londres estudaram 300 fósseis de uma ampla variedade de plantas e constataram que a média do tamanho das folhas aumentou em 25 vezes no período de 340 milhões a 380 milhões de anos atrás, exatamente no intervalo em que caiu o nível de CO2. O declínio do dióxido de carbono ocorreu na Era Paleozóica, de 540 milhões de anos a 250 milhões de anos atrás.Em duas espécies os pesquisadores observaram que o aumento repentino no tamanho das folhas coincidiu com uma elevação de oito vezes no número de estômatos - os poros que absorvem CO2. Os cientistas acreditam que, enquanto havia grande concentração de dióxido de carbono no ar, as plantas não precisavam de folhas e seus estômatos para absorvê-lo em quantidade.E nem poderiam absorver muito CO2, porque não tinham como expelir o vapor resultante deste processo, o que causaria um superaquecimento da planta. As folhas e seus estômatos, portanto, foram uma solução adequada para captar o dióxido de carbono em quantidade ideal e também para liberar o vapor, resfriando o organismo.As plantas vasculares tinham todos os pré-requisitos para desenvolver folhas há pelo menos 400 milhões de anos, mas isso só ocorreu 50 milhões de anos depois, coincidindo com o declínio do CO2 na atmosfera terrestre.?A queda nos níveis de CO2 pode ter levantado uma barreira, permitindo a evolução das folhas da mesma forma que o aumento de oxigênio levou à explosão dos invertebrados no Período Cambriano?, concluíram os autores C. P. Osborne, D. J. Beerling, B. H. Lomax e W. G. Chaloner.

Agencia Estado,

06 de julho de 2004 | 13h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.