Redução de gases seria financeiramente vantajosa, diz estudo

Corte na emissão de gases poluentes obrigaria um investimento de US$ 107 bi em outras fontes de energia

14 de fevereiro de 2008 | 09h26

Estudo feito pela McKinsey Global Institute revelou que a economia global se beneficiaria se houvesse um corte de 50% na emissão de gases poluentes responsáveis pelo efeito estufa.     Segundo a edição desta quinta-feira, 14, do jornal Financial Times, a consultoria concluiu que a redução dos gases nesse proporção exigiria um investimento de cerca de US$ 107 bilhões  por ano em outras fontes energéticas, gerando um ganho de 17%, ou US$ 29 bilhões.   O impacto que o corte da emissão dos gases poluentes teria na economia é alvo de dscussões há anos.   Alguns economistas argumentaram que a ação imediata de cortar os emissores custaria apenas uma pequena porcentagem do produto bruto global, enquanto que esperar seria mais desvantajoso, por causa das adaptações que seriam necessárias em decorrência da mudança climática; outros dizem que seria mais barato esperar o amadureecimento de tecnologias menos poluentes.    Diana Farrel, diretora da McKinsey Global Institute, afirmou que "isso mostra a quantidade de 'peso morto' que existe na economia da energia usada atualmente".   No passado, empresas mostraram pouco interesse em investir em fontes de energia alternativas, mas, segundo reportagem, esse quadro está mudando.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.