Relator articula apoio para Lei de Biossegurança

Na tentativa de ampliar o apoio a seu substitutivo, o relator do projeto da Lei de Biossegurança, deputado Renildo Calheiros (PCdoB-SP), adiou para a manhã desta quarta-feira a apresentação e a votação do texto na comissão especial da Câmara. O parecer será votado em seguida no plenário, se a comissão concluir logo o trabalho. Caso contrário, será adiada para quinta.Calheiros frisou que seu esforço de chegar perto de um consenso não tem intenção de agradar a nenhum setor específico. Ele disse quer fazer umar ?uma lei eficiente?, que zele pela saúde da população, preserve o meio ambiente e estimule a pesquisa no País.As emendas acatadas pelo relator atendem em parte os aliados da ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, mas mantém a maioria das mudanças adotadas pelo ex-relator, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), nomeado ministro da Articulação Política.NegociaçãoO relator passou o dia negociando pontos do parecer. Ele conversou por mais de duas horas com a ministra Marina Silva e se ?dividiu? nos contatos com parlamentares de todos os partidos e com os presidentes das duas frentes que querem alterar a proposta.Por telefone, o presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP), tomou conhecimento do andamento das negociações. À tarde, a sala onde se reuniu a comissão especial ficou tomada por manifestantes da comunidade científica,ambientalistas e do Movimento do Sem-Terra (MST).Com exceção dos sem-terras que, ao final da sessão puseram-se a gritar que ?transgênico é veneno?, o ato foi silencioso, execurado com a exibição de faixas defendendo a posição de cada um dos grupos.

Agencia Estado,

03 de fevereiro de 2004 | 18h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.