<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1659995760901982&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Relatório mundial aponta risco crescente para o cerrado

O cerrado brasileiro é um dos 34 ambientes mundiais mais ameaçados, e a pressão é crescente, segundo relatório da organização Conservação Internacional (CI). A mata atlântica é o outro ecossistema brasileiro relacionado no documento, mas com uma situação um pouco melhor.Da mata atlântica sobram apenas 8% da cobertura original, mas a chamada pressão antrópica está muito mais fraca. Do cerrado permanecem 22% e as perdas cotinuam altas.Estes dois ecossistemas brasileiros são classificados como hotspots, termo concebido pelo ecólogo inglês Norman Myers, em 1988, que se refere a ambientes que perderam 75% ou mais de sua cobertura vegetal e contam com pelo menos 1.500 espécies de plantas endêmicas.Desde 1988Cerrado e mata atlântica já estava na lista de Myers, publicada em forma de livro naquele ano. ?Os hotspots foram revistos nos últimos anos e o cerrado permanece na lista. Não tem como ser retirado?, disse o pesquisador Mario Barroso, gerente da Conservação Intermacional (CI) para o bioma cerrado.?Apesar de todos os esforços, as pressões continuam grandes. A ocupação é alta e o comprometimento dos recursos aquáticos também.?As áreas geográficas mais ameaçadas, segundo a análise da CI, estão no sul do Maranhão e do Piauí e no oeste da Bahia. ?Não apenas a soja, mas a agricultura mecanizada como um todo, algodão e milho também estão devastando o cerrado?, afirma Barroso.ProduçãoPara o pesquisador, a solução é a proibição por completo da atividade agrícola na região. ?Se fosse cumprido o código florestal, que prevê os 20% mínimos de área destinada para a reserva legal, seria perfeitamente possível conciliar preservação com produção?, explica.Em termos de áreas protegidas, o cerrado tem hoje apenas 6% de sua área. ?Na prática isso é menor. Alguns parques estão sendo ocupados?, diz Barroso.Novos hotspotsA lista divulgada na quarta-feira ? um livro com o detalhamento da fauna e flora de cada uma das regiões será lançado ainda no primeiro semestre no Brasil ? tem nove hotspots novos em relação à primeira, de 1999. A maioria dele está na Ásia e na África.Nas Américas, a única zona que surge como novidade, segundo o estudo que reuniu mais de 400 especialistas e demorou quatro anos para ficar pronto, é a Floresta de Pinho-Encino de Sierra Madre, entre o México e os Estados Unidos.   estatísticas sobre florestas diversidade

Agencia Estado,

03 de fevereiro de 2005 | 11h59

Selecione uma opção abaixo para continuar lendo a notícia:
Já é assinante Estadão? Entrar
ou
Não é assinante?
Escolha o melhor plano para você:
Sem compromisso, cancele quando quiser
Digital Básica
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 9,90/mês a partir do segundo mês
  • Portal Estadão.
  • Aplicativo sem propaganda.
Digital Completa
R$
1, 90
/ mês
No primeiro mês
R$ 19,90/mês a partir do segundo mês
Benefícios Digital Básica +
  • Acervo Estadão 146 anos de história.
  • Réplica digital do jornal impresso.
Impresso + Digital
R$
22, 90
/ mês
No primeiro ano
R$ 56,90/mês a partir do segundo ano
Benefícios Digital Completa +
  • Jornal impresso aos finais de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.