Remédio que inibe enzima é arma contra pancreatite

Uma equipe de cientistas espanhóis demonstrou, através de testes com ratos, que os fármacos inibidores da enzima PARP reduzem a inflamação do pâncreas de forma significativa. Os estudos também demonstram que esses fármacos reduzem as lesões no pulmão associadas à pancreatite.Os pesquisadores, liderados pelo professor José Yélamos, pertencem ao departamento de Bioquímica, Biologia Molecular e Imunologia da Universidade de Múrcia. Eles submeteram a diferentes testes ratos que apresentavam uma pancreatite aguda similar à que afeta os seres humanos.Estes ratos foram gerados com uma modificação genética para que lhes faltasse o gene que contém a instrução para produzir a enzima PARP, de modo que não poderiam produzi-la. Assim, observou-se que esses animais sofriam uma pancreatite aguda e complicações pulmonares muito mais leves do que os que produziam a PARP.Os resultados obtidos com os fármacos inibidores das enzimas PARP foram melhores do que os conseguidos mediante a modificação genética apontada. Por esta razão, os cientistas apóiam o uso terapêutico desses fármacos, já que favorecem o tratamento da pancreatite aguda e as complicações pulmonares associadas a esta doença nos humanos.

Agencia Estado,

11 de novembro de 2005 | 12h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.