Restos mortais de Padre Donizetti são exumados em Tambaú

Padre local diz que ossos, em boas condições, permitirão a confecção de relíquias após a beatificação

Brás Henrique, da Agência Estado,

08 Maio 2009 | 17h49

Os restos mortais do Padre Donizetti, falecido em 1961 e sepultados em Tambaú, na região de Ribeirão Preto (SP), foram exumados na madrugada desta sexta-feira, 8, sob sigilo.

 

O procedimento faz parte do processo de beatificação do vigário, que atuou na cidade paulista durante 36 anos. O pároco Anderson Godoi de Oliveira, reitor do Santuário Nossa Senhora Aparecida, acompanhou a exumação ao lado de um postulador do Vaticano. Os restos mortais do Padre Donizetti continuam na cidade, em local não divulgado, e serão sepultados no mausoléu do santuário da igreja no próximo dia 16, após traslado desde o cemitério, carreata e missa campal na praça que leva o nome do religioso.

 

O procedimento encerra a fase diocesana do processo de beatificação. O pároco Anderson Oliveira destacou, num pronunciamento distribuído à imprensa, que "o sigilo sempre fez parte do processo de beatificação" do Padre Donizetti Tavares de Lima.

 

A exumação, autorizada pela Justiça local, ocorreu entre meia-noite e três horas da madrugada, pouco depois de uma oração e do juramento das poucas pessoas envolvidas, "apenas as autoridades religiosas que compõem o Tribunal Eclesiástico, algumas autoridades civis constituídas, o coveiro e os pedreiros contratados para realizar o serviço", além de policiais militares que fizeram a segurança.

 

O restos mortais do Padre Donizetti estavam sepultados no cemitério desde 17 de junho de 1961. O túmulo, assim como a antiga casa do religioso (que será transformada em museu), é um dos pontos turísticos de Tambaú, que recebe romarias de fiéis em busca de milagres atribuídos ao padre, em todos os finais de semana - entre 10 mil e 12 mil pessoas ao mês.

 

"Apesar do decurso do tempo e das condições úmidas do solo, os ossos apresentavam boas condições de conservação, resistindo até mesmo às ações do tempo e do lugar onde o corpo estava sepultado, o que permitirá que, após a declaração oficial da Igreja, manifestando sua santidade, seja possível confeccionar inúmeras relíquias", informou o padre Oliveira em seu pronunciamento.

 

Donizetti Tavares de Limai nasceu em 3 de janeiro de 1882, em Cássia (MG). Foi ordenado sacerdote em 1908, em Pouso Alegre (MG). Atuou em Campinas, Vargem Grande do Sul e em 1926 tornou-se vigário em Tambaú, onde ficou até a sua morte, em 16 de junho de 1961.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.