Retorno à Lua deverá custar US$ 108 bilhões

A Nasa estima que o retorno de astronautas à Lua em 2018, com um novo foguete que combina tecnologia do ônibus espacial com a do projeto Apollo, deverá custar US$ 108 bilhões. O administrador da agência espacial, Michael Griffin, disse que a Nasa pagará a viagem sem a necessidade de suplementar seus orçamentos futuros.Ele descartou a possibilidade de a reconstrução da Costa do Golfo vir a atrapalhar os planos da agência. "Estamos falando em voltar à Lua em 2018. Haverá muitos outros furacões e desastres naturais nos EUA e no mundo até lá, espero que nenhum pior que o furacão Katrina", declarou. "Mas o programa espacial é um investimento de longo prazo no futuro".Os US$ 104 bilhões ao longo de 13 anos representam, descontada a inflação, 55% do que custou o programa Apollo, que levou os primeiros astronautas à Lua em 1969, disse Griffin. O novo design dos veículos espaciais usa foguetes montados com partes do sistema de lançamento do ônibus espacial, além de uma cápsula e um veículo de alunissagem que lembram os das naves Apollo. "Pense num Apollo com anabolizante", disse Griffin.A cápsula, batizada de Veículo Tripulado de Exploração (CEV, na sigla em inglês) irá substituir o ônibus espacial, que deve sair de linha em 2010. Mas o CEV não deverá estar pronto antes de 2012, e provavelmente demore até 2014, dependendo do orçamento, disse Griffin.Griffin disse que o novo projeto não é uma imitação do Apollo. "Trata-se de um avanço importante sobre o Apollo. Muito parece igual, mas isso é porque a física da reentrada na atmosfera não mudou muito recentemente", brincou. O objetivo da Nasa é seguir rumo a Marte com o mesmo tipo de veículo, mas Griffin disse que não há um cronograma fechado quanto a isso.

Agencia Estado,

19 de setembro de 2005 | 14h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.