Retrospectiva 2011: Estudo sugere partículas mais rápidas do que a luz

Se comprovado, achado poria fim à teoria da relatividade formulada por Einstein

21 Dezembro 2011 | 13h29

 No dia 22 de setembro, um grupo internacional de cientistas trabalhando no projeto Opera da Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (Cern, na sigla em francês) anunciou ter descoberto que partículas fundamentais, conhecidas como neutrinos, são capazes de viajar a uma velocidade 60 nanossegundos mais rápida que a da luz.

O achado, caso comprovado, poria fim a uma das mais importantes e fundamentais regras da física moderna: a teoria da relatividade especial, formulada por Albert Einstein em 1905, que postula que nada viaja mais rápido que 299.792.458 metros por segundo - a velocidade da luz.

Quando anunciado, o experimento foi visto com ceticismo por grande parte da comunidade científica e apenas um mês após a descoberta foi publicado o primeiro trabalho questionando a existência do neutrino mais rápido que a luz. Depois disso, no mês de novembro, ainda foram publicados mais dois trabalhos comprovando e depois desmentindo o achado.

A discussão cientifica sobre o neutrino super rápido ainda deve ir longe: parece que os físicos não vão desistir da teoria da relatividade tão cedo. E ainda vale lembrar que a própria existência desse elemento subatômico - descoberto em 1934 e produzido no decaimento radioativo ou em reações nucleares - ainda intriga os cientistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.