Rio Paraíba do Sul está quase morto

O Rio Paraíba do Sul, que abastece cerca de 10 milhões de pessoas, enfrenta a maior seca dos últimos sete anos. Os níveis dos quatro reservatórios estão tão baixos que a população corre o risco de ficar sem água até novembro. O alerta é do chefe do Laboratório de Hidrologia da Coordenação de Programas de Pós-Graduação em Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ), Paulo Canedo. Canedo diz que já sugeriu à Cedae, a empresa de água e esgoto do Rio, que faça algumas obras para tentar reduzir os riscos de racionamento de água. Segundo ele, algumas adequações podem ser feitas em trechos do rio para tentar economizar água e evitar a contaminação pelos rios secundários, mais poluídos. "Mas o que tem de ficar claro é que essas são medidas paliativas que podem diminuir o problema, mas não o resolvem", explica. Uma pesquisa divulgada em agosto pela Coppe/UFRJ já mostrou que, além da seca, o Paraíba do Sul também sofre com a poluição. Segundo avaliação dos pesquisadores, a quantidade de dejetos lançada no rio é quatro vezes superior a sua capacidade de diluir os poluentes.Leia mais no site do Estado

Agencia Estado,

09 de setembro de 2003 | 12h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.