AFP PHOTO / ESA / JIM WATSON
AFP PHOTO / ESA / JIM WATSON

Robô é 'achado' em Marte após 11 anos

Beagle 2 pousou, mas não transmitiu dados; objetivo do aparelho era obter informações para avaliar possibilidade de vida no planeta

O Estado de S. Paulo

16 Janeiro 2015 | 19h45

A sonda britânica Beagle 2, chamada de “fracasso heroico” pelos astrônomos reais ingleses foi reencontrada em Marte, após um “desaparecimento” de 11 anos.

Parte da missão Mars Express da Agência Espacial Europea (ESA, na sigla em inglês), ela deveria ter aterrisado em Marte no dia de Natal, de 2003 - e começar a enviar dados astronômicos. No dia 19 de dezembro, porém, seus sistemas silenciaram e não se sabia o que poderia ter acontecido. Agora, cientistas da Real Sociedade de Londres informaram que a pequena sonda está na superfície do planeta.

“O Beagle 2 já não está mais perdido”, comemorou David Parker, presidente-executivo da Agência Espacial de Reino Unido. Segundo ele, imagens da câmera de alta resolução HiRISE, da sonda Mars Reconnaissance Orbiter (lançada em 2005 para retirar imagens da superfície local), mostraram “bons indícios” de que a nave aterrissou em Marte na data em que se previa, 25 de dezembro de 2003. O local do pouco fica a cerca de cinco quilômetro do que era inicialmente planejado pelos britânicos.

Beagle 2 foi batizada em homenagem ao barco que levava Charles Darwin quando formulou sua teoria da evolução. O objetivo do aparelho, que mede menos de 2 metros de diâmetro, era obter dados para avaliar a possibilidade de ter existido vida no planeta. 

“Desde 2003, em todos os Natais, eu me perguntava o que teria acontecido. O meu Natal de 2003 e o de muitos outros que trabalhavam no Beagle 2 foi estragado pela desilusão com o silêncio desse robô. Para ser sincero, já tinha desistido de algum dia saber o que aconteceu”, afirmou Mark Sims, da Universidade de Leicester, responsável pela construção do robô.

Para os cientistas, alguma falha na aterrissagem impediu a abertura total dos painéis soladores do Beagle 2, impedindo que a antena de transmissão de dados ficasse na posição ideal. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS 

Mais conteúdo sobre:
Marte astronomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.