Royal Society defende mais pesquisa com transgênicos

A academia nacional de ciências do Reino Unido, a Royal Society, divulgou esta semana um relatório atualizando suas avaliações sobre as experiências com os produtos transgênicos. Em seu relatório, a academia, que tem cerca de 1.300 integrantes, conclui que a continuação de pesquisas com transgênicos deve ser apoiada "como o único caminho para ter acesso a todo o potencial dos organismos geneticamente modificados". "Acreditamos que os riscos para a saúde humana, associados ao uso dos organismos geneticamente modificados, são insignificantes", afirma o documento. Embora tenha sido comemorado na Europa por algumas instituições como um relatório favorável à liberação dos transgênicos, o relatório faz ressalvas. Reconhece as preocupações da população quanto ao uso da tecnologia e defende que seu desenvolvimento seja obtido por meio de intenso diálogo entre o setor produtivo, cientistas do setor público, autoridades reguladoras e as organizações não-governamentais."É importante que o debate público acerca dos organismos geneticamente modificados leve em conta questões mais amplas do que a abordagem especificamente científica", afirma o relatório da Royal Society. O relatório aponta ainda que cuidados especiais sejam desenvolvidos quanto à utilização de produtos com potencial alergênico, isto é, que possam vir a causar alergias. O relatório está disponível na paágina da Royal Society na Internet (www.royalsoc.ac.uk).

Agencia Estado,

06 de fevereiro de 2002 | 19h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.