Rússia adia elevação da ISS por ameaça de lixo espacial

A plataforma perde entre 100m e 150m de altura a cada dia por causa da gravitação terrestre

EFE,

02 de outubro de 2008 | 16h18

ússia adiou, por dois dias, uma manobra de elevação da órbita da Estação Espacial Internacional (ISS) para evitar sua colisão com lixo espacial.   O Centro de Controle de Vôos Espaciais (CCVE) da Rússia informou que a manobra, que devia ser realizada às 8h33 (horário de Brasília), foi adiada para o próximo sábado.   Durante a manobra, está prevista a ativação, por quatro minutos e meio, dos propulsores do cargueiro espacial russo Progress M-65, acoplado à ISS, para elevar a altura da estação em 1,25km e situá-la a 353km da superfície terrestre.   Habitualmente, a altitude de órbita média da ISS, tripulada agora pelos russos Serguei Volkov e Oleg Kononenko e pelo americano Greg Chamitoff, oscila entre 360km e 330km de altitude.   A plataforma perde entre 100m e 150m de altura a cada dia por causa da gravitação terrestre, da atividade solar e de outros fatores.   O objetivo da operação é colocar a estação em uma órbita que garanta condições ótimas para o engate da nave russa Soyuz TMA-13, cujo lançamento está previsto para o próximo dia 12, a partir da base de Baikonur, no Casaquistão.   A Soyuz TMA-13 levará para o espaço a próxima tripulação permanente da ISS, integrada pelo russo Yuri Lonchakov e pelo americano Michael Fincke, além do sexto turista espacial, o milionário americano Richard Garriott.   Garriott, filho do ex-astronauta americano Owen Garriott e diretor-adjunto da agência de turismo espacial Space Adventures, desembolsou aproximadamente US$ 30 milhões para sua viagem de 12 dias pelo espaço, nove deles a bordo da ISS.   O turista espacial voltará à Terra no próximo dia 24 junto, com a tripulação da ISS que encerra sua missão, na nave Soyuz TMA-12, presa atualmente à plataforma orbital em qualidade de mecanismo salva-vidas para qualquer situação de emergência.

Tudo o que sabemos sobre:
estação espaciallixo espacialiss

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.