Rússia anuncia que não levará mais turistas espaciais para a ISS

Planos de dobrar tamanho da tripulação da estação tornam viagens turísticas impraticáveis a partir de 2009

AP,

21 de janeiro de 2009 | 18h06

A Rússia não enviará mais turistas à Estação Espacial Internacional (ISS) depois deste ano, devido a planos para dobrar o tamanho da tripulação da estação, disse o chefe da agência espacial russa em entrevista publicada nesta quarta-feira, 21.  O chefe da Roscosmos, Anatoly Perminov, disse ao jornal do governo Rossiiskaya Gazeta que o designer norte-americano de software Charles Simonyi seria o último turista a partir do cosmódromo Baikonur, agora em março.  O lucrativo programa de turismo espacial russo já levou seis "participantes particulares" desde 2001. Os participantes pagaram US$ 20 milhões, ou mais, pelos voos a bordo da nave russa Soyuz. "A equipe da estação espacial, como se sabe, será expandida este ano para seis membros. Portanto, não haverá qualquer possibilidade de realizarmos voos turísticos para a estação depois de 2009", disse Perminov. As naves Soyuz e Progress têm sido uma parte crucial da manutenção e expansão da ISS - particularmente após o desastre da Columbia em 2003.  A Nasa dependerá ainda mais dos russos depois de 2010 quando suas naves serão permanentemente aposentadas, fazendo com que os astronautas dependam das naves russas até 2015, quando a nova frota americana ficará pronta. A fabricante californiana de foguetes Xcor Aerospace anunciou no mês passado que um dinamarquês seria o primeiro turista a voar em sua nave de dois lugares. As passagens são vendidas por US$ 95 mil e já há reservas para 20 voos.

Tudo o que sabemos sobre:
espaçociência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.