Russos e europeus buscarão sinais de vida em lua de Júpiter

A sonda deverá aterrissar, para fundir o gelo a uma profundidade de meio metro e buscar formas de vida

08 de janeiro de 2008 | 13h57

ntistas russos e europeus planejam enviar várias sondas espaciais ao satélite Europa, de Júpiter, para procurar sinais de vida sob o gelo que cobre sua superfície, informou nesta terça-feira o diretor do Instituto de Pesquisas Espaciais da Academia de Ciências russa, Lev Zeleny.      O pesquisador disse que o projeto, que a Agência Espacial Européia (ESA) incluirá em seu programa para o período de 2015 a 2025, deve lançar várias sondas em direção a Júpiter.      "Mas o principal objetivo é pesquisar o satélite Europa, onde debaixo de uma grossa camada de gelo foi descoberto um oceano de água em estado líquido", indicou.      De acordo com o cientista, a ESA está planejando colocar na órbita de Júpiter e do satélite Europa apenas duas sondas espaciais, enquanto os cientistas russos propõem incluir no projeto um terceiro aparelho para aterrissar na superfície do satélite.      Ele explicou que "por causa dos impactos de meteoritos, que rompem a camada de gelo de vários quilômetros de espessura, nasuperfície do Europa formam-se várias fendas, através das quais a água sai para a superfície, onde se congela".      "A sonda enviada deve aterrissar em uma dessas fendas, para fundir o gelo a uma profundidade de meio metro e buscar formas primitivas de vida", afirmou Zeleny em declarações à agência Interfax.      O pesquisador acrescentou que "onde há água, pode ter vida, e a partir deste ponto de vista o satélite Europa é talvez o lugar mais curioso do nosso sistema solar, depois de Marte".      Além do Instituto de Pesquisas Cósmicas, colaborarão no projeto com a ESA o centro científico Lavochkin e várias outras entidades russas especializadas em estudos espaciais.

Tudo o que sabemos sobre:
júpitereuropavidaesa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.