Sacerdote católico é condenado a prisão por pedofilia

Paul Evans abusou sexualmente de 7 menores quando lecionava em colégio na Austrália nas décadas de 70 e 80

Efe,

03 de outubro de 2008 | 06h55

Um antigo sacerdote católico foi condenado nesta sexta-feira, 3, na Austrália a 15 anos de prisão por ter abusado sexualmente de sete menores quando lecionava no colégio Engadine, nas décadas de 70 e 80. O juiz Robert Hulme condenou Paul Raymond Evans em 18 acusações de conduta indecente e disse, ao pronunciar a sentença, que ele poderá solicitar a liberdade condicional em janeiro de 2018, de acordo com a versão digital do diário The Sydney Morning Herald. Hulme indicou que Evans se aproveitou de seus discípulos para seu próprio prazer sexual e expôs suas dúvidas pessoais sobre a reabilitação do acusado, porque alegava inocência apesar dos testemunhos das vítimas. Na Austrália, 107 membros da Igreja Católica foram condenados por abusos sexuais que afetaram cerca de 1.000 pessoas, segundo a organização "Broken Rites". O papa Bento XVI, durante sua visita ao país em julho, reuniu-se com quatro das vítimas e expressou durante uma homilia sua condenação por toda a dor e sofrimento que passaram.

Tudo o que sabemos sobre:
pedofiliaAustrália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.